The Traitors - Capítulo 25

| | |

Capítulo vinte e cinco - Tentarmos ser amigos

Liam Payne P.O.V's
 Acordei lentamente com o sol batendo em meu rosto através das cortinas e com uma música que tocava próximo a mim. Abri meus olhos e notei que SeuNome não estava mais na cama e o celular que tocava era o dela. Levantei indo pegá-lo em minha cômoda e então vi no visor ser o pai dela. Encarei o quarto todo antes de tomar a iniciativa de atender e ouvir a voz grossa do outro lado da linha.

* Ligação On *
John: Filha? Onde você está? Já estamos na cafeteria te esperando, estou aqui com os caras que vão alugar o telão pra festa e eles estão meio impacientes.- ele disse logo que percebeu que alguém havia atendido-
Eu: Hãm... oi senhor White.- não sabia exatamente o que dizer, estava com medo. O pai de SeuNome não sabia da nossa vida sexual e eu tinha pavor de saber o que eu faria comigo se descobrisse que já tínhamos... feito-
John: Liam? Cadê a SeuNome?- seu tom de voz mudou e o imaginei sério-
Eu: Eu... eu não sei. Acordei e ela não estava mais na cama.
John: Dormiram juntos? Eu não acredito que dormiram juntos.
Eu: Não! Não dormimos, apenas vim no quarto de hospedes ver se ela já tinha acordado e ela não está mais aqui.- inventei algo rápido e então SeuNome abriu a porta do quarto e me encarou diretamente, veio até mim tomando o celular de minhas mãos-
Você: Pai?- ela disse com tom de dúvida, mal tinha olhado na tela pra ver quem era, acredito que adivinhou ao ver minha cara de extremo pânico- Ah... não, já estamos indo, em dez minutos chegamos... sim pai... tá bom, olha segura a barra ai que eu já estou chegando. Beijos, te amo.- ela demorou alguns segundos para desligar-
* Ligação Off *
Você: Que cara é essa? O que meu pai te disse?
Eu: Ele não disse nada demais, mas o tom de voz já me assustava.- eu disse me sentando na cama e SeuNome riu de leve, percebi que ela já estava arrumada- Porque não me acordou?
Você: Não gosto de fazer pros outros o que não gostariam que fizessem comigo.- ela sorriu- Acho melhor se vestir logo, já estamos atrasados.- ela disse com semblante impaciente, apenas assenti com a cabeça e passei por ela lhe dando um beijo na testa.

***

Você: Não sei se esse é o caminho certo.- resmungou- Já passamos por essas árvores dez mil vezes se você não percebeu.
Eu: Eu sei... só estou procurando uma vaga, o lugar é aqui.
Você: Não sei não.- disse se virando para a janela- É ALII!
Eu: Eu sei SeuNome, já disse que estou procurando uma vaga.
Você: Duvido que você sabia mesmo. Do jeito que é...
Eu: Você que só adivinhou que era por causa do nome na frente.- eu disse finalmente achando uma vaga e estacionei- Aceita que dói menos.

 Sai do carro e dei a volta para abrir a porta pra ela que estava com uma cara de deboche pra mim. Aposto que achava que estava certa e que eu não sabia onde ficava a cafeteria; esse é o problema de SeuNome: sempre achar que está certa quando está errada. Atravessamos a rua de mãos dadas e entramos no estabelecimento do mesmo jeito, procuramos pelo pai de SeuNome e resolvemos ir para o segundo andar que era ainda mais sofisticado e decorado que o primeiro. Tons em bege pintavam as paredes junto com alguns detalhes em preto e vermelho, nada muito exagerado que deixava o lugar agradável e gostoso de se estar. Procuramos por John ali e logo o achamos bebendo algo com dois caras, John e um deles riam e o outro pareceu estar com tédio. Nos aproximamos mais e logo ele nos notou ali e sorriu ainda mais.
John: Rapazes, essa é minha filha e esse... bom esse é o namorado dela.- ele disse estreitando os olhos pra mim em um tipo de ameaça visual-
Você: Olá.- disse se sentando e me puxou para sentar ao seu lado, encarei os dois e um deles era bem bonitão, agradeci mentalmente por ter vindo, porque obviamente ele ia ficar olhando com outros olhos pra SeuNome e não só como um alugador de telões para festas-
- Olá senhorita White, meu nome é Raphael Hale e esse é meu irmão, Taylor Hale.
Eu: Oi pra vocês também.- todos na mesa me olharam e me ignoraram, fiquei envergonhado por um instante-
Raphael: Seu Pai nos mostrou seus planos para festa e vimos que é um evento aparentemente grande.
Você: Correto, duzentas pessoas.
Raphael: Então.- disse como se não quisesse ser interrompido, abriu o notebook que estava em cima da mesa e digitou algumas coisas logo virando a tela para que nós pudéssemos ver o desenho- Como podem ver, estudei o lugar onde acontecerá o evento, um de nossos maiores telões cabe exatamente na parede toda, tudo o que passar lá será transmitido a todos, e ninguém vai perder detalhe algum.- encarei SeuNome quando ele fechou o notebook, John apenas observava-
Você: Ninguém vai perder nenhum detalhe.- ela disse mais para si do que para ele-
Taylor: Absolutamente nenhum.- finalmente disse algo- Podem estar nos fundos, muito a frente, no meio. Vão ver exatamente... tudo.- se inclinou na mesa sorrindo pra SeuNome, o encarei sério e ele percebeu voltando a posição anterior-
Raphael: O que me diz? Quer ver outros tamanhos ou vai querer esse?- ele disse com um sorrisinho de lado-
Você: Esse me parece perfeito, só me dê o contrato da noite e eu assino.- ela estava animada. No mesmo momento, um papel deslizou sobre a mesa e SeuNome tratou de começar a lê-lo, eram poucas linhas-
Taylor: Fazemos a instalação e a desinstalação.- acrescentou-
Você: - pegou uma caneta no bolso do terno do pai e então assinou o contrato- Assinado, vejo vocês daqui duas semanas.- sorriu-
Raphael: Foi ótimo fazer negócios com vocês, até daqui duas semanas-

Duas semanas, duas semana e tudo iria mudar radicalmente. Segredos gravíssimos seriam revelados, o nervo estava a flor da pele. Meu celular vibrou recebendo uma mensagem, o peguei e abri a mesma vendo um número desconhecido.

"Hey cara, consegui seu número com a SeuNome. É o Matt aqui, se não se lembra aquele cara que você tanto odeia. Bom, poderia passar aqui em casa? Preciso esclarecer algumas coisas com você para que possamos ser amigos ou ao menos tentar. Não quero mais intrigas, acredito que você também não.
Street gold; número 289
Estou esperando"

 Franzi o cenho, afinal, não era uma coisa que eu realmente esperava, eu nunca esperaria uma mensagem assim de Matt mas se ele disse que SeuNome passara meu número ela deveria já saber do que se tratava e que era seguro confiar.
Você: Não quer nada Liam?- ela disse olhando o menu-
Eu: Não... na verdade tenho que ir pra casa. Se importa?- eu a olhei encarando seus olhos castanhos-
Você: Claro que não. Sua mãe precisa de você.- sorriu- Obrigada por ter vindo.
Eu: Foi um prazer.- percebi que John estava nos encarando- Tchau.- dei um selinho rápido e molhado nela, logo saindo da cafeteria.

SeuNome White P.O.V's
 Quando Liam desceu as escadas meu pai me olhou, ele estava com aquele típico sorriso de que vai falar o que não presta. Fiz sinal para um garçom próximo e fiz o pedido de um cappuccino e alguns cookies e ele anotou se afastando logo depois.
John: Finalmente vamos ter aquela conversinha.
Eu: Que conversa?
John: Eu nunca soube ser pai, eu esperava um menino.- me ofendi- Mas ai vi que eu te amo muito mais do que amaria um filho menino, porque eu te protejo, cuido de você com carinho e preciso saber uma coisa.
Eu: Está me deixando meio curiosa com essas palavras tão lindas.- ironizei-
John: Preciso saber se você Liam já transaram alguma vez.- meu queixo foi ao chão e voltou, eu estava totalmente envergonhada, não queria ter a conversa com meu pai, talvez com minha mãe. Parei pra pensar alguns segundos e lembrei que já tinha falado disso com Shirley e com as meninas e que talvez me abrir sobre isso com meu pai seria até bom pra mim- Me diga, eu preciso saber, meus hormônios de pai estão enlouquecendo.
Eu: Porque quer saber disso? O senhor nunca se importou em conversar sobre sexualidade comigo.- eu jurava que estava vermelha-
John: Sua mãe encontrou camisinhas na sua gaveta.- o garçom deixou o pedido na mesa e se afastou-
Eu: O que? Porque mexem nas minhas coisas?
John: Me desculpa filha mas queríamos saber, não gostaríamos de ser avós agora, somos muito novos e quando digo somos me refiro a nós todos, contando com Liam e a família dele.
Eu: Eu me sinto traída.- disse bebendo um gole do cappuccino- O que a mamãe tem a dizer sobre isso?
John: Não conversamos, logo depois que achamos as camisinhas ela saiu, disse que ia espairecer e demorou a voltar, voltou quando o sol estava quase nascendo.- o encarei com atenção-
Eu: De manhã? Onde ela foi?
John: Disse que a casa de uma amiga.- ele sorriu bebendo seu café puro-
Eu: Estranho, ela nunca sai assim.
John: Não mas ela também tem direito já que vivo saindo a noite pra trabalho.- quase me engasguei- O que foi?
Eu: Nada... nada. O que vamos fazer hoje? Liam me deu o bolo e acho que vamos ter que passar a tarde juntos.
John: Obrigado pela parte que me toca.- fingiu um sorriso sincero- Pensei em irmos ao shopping e fazermos compras, sua mãe já tem um vestido pra festa e nós dois ainda não movemos um dedo pra comprar nossos figurinos.
Eu: Boa ideia.- mordi um cookie- Estamos precisando de um tempo de lazer, passamos as últimas semanas apenas planejando essa festa.
John: Então... topa?
Eu: Topo.- sorri e meu pai pegou em minha mão me fazendo sentir confiança nele.

Liam Payne P.O.V's
  Não demorei para achar o endereço que Matt havia mandado na mensagem graças ao GPS do carro. Eu estava parado em frente a casa, era grande e bonita com um jardim amplo e verdinho na frente. Eu ainda estava confuso se desceria do carro ou não. Não estava muito confiante sobre vir na toca do inimigo mas se ele mandou mensagem e disse que quer se explicar eu devo dar uma chance. Ninguém nunca gostou de Matt pelas atitudes dele e acho que agora é a hora de eu ouvir o que ele tem a dizer depois de todas as burradas que ele já fez.

 Decidi descer do carro e depois que o fechei fui pra varanda da casa e apertei firme a campainha, ouvi ela soar dentro da casa e esperei quase um minuto para que alguém viesse atender. Quando a porta se abriu uma mulher de idade vestida com uma camisa social e uma calça jeans atendeu e me olhou dos pés a cabeça como se se interrogasse mentalmente de quem eu era e o que eu estava fazendo ali.
- Boa tarde.- disse provavelmente esperando que eu dissesse algo-
Eu: Hãm... é aqui que o Matt mora?- eu estava com dúvidas, aquela mulher não se parecia com ele então não poderia ser da família-
- Mora sim, o que você é dele?
Eu: Sou um amigo.
Matt: Pode deixar ele entrar, mãe. Ele é meu amigo.- a mulher se virou e olhamos Matt acabando de descer as escadas, estava com um conjunto de moletom surrado, mas parecia bem confortável-
- Tudo bem então.- ela saiu em passos lentos e Matt fez um sinal para que eu entrasse na casa e eu fechei a porta depois que o fiz-
Eu: Sua mãe? - apontei pra direção em que a velha tinha ido-
Matt: Você tem muito o que saber Liam. Vem, vamos lá pra cima.- disse fazendo um gesto para que eu o seguisse-

 Subimos as escadas e paramos em um corredor diríamos que imenso, muito maior que o da minha casa ou da casa de SeuNome. Matt era bem de vida, isso era notável. Adentramos em uma porta, era o quarto dele, decorado com quadros e papel de parede de super heróis, uma prateleira cheias de livros e cd's e abaixo dela uma mesa com um macbook branco. No centro do quarto havia uma cama com a cabeceira rente a uma enorme janela que dava uma bela vista da rua e alguma paisagem mais distante, ao lado da cama uma poltrona e logo na parede a frente um painel com uma televisão e um x-box. Eu realmente gostaria de ter um quarto como esse.
Matt: - fechou a porta chamando minha atenção- Então... tudo bem?
Eu: Normal.- balancei a cabeça levemente- Porque quer conversar?
Matt: Eu mudei, quero esclarecer algumas coisas que talvez você não saiba.- ele se sentou na cadeira da mesa do computador e fez sinal para que eu me sentasse então sentei na poltrona ao lado da cama-
Eu: Já pode começar se quiser.- me inclinei na poltrona o encarando-
Matt: Vamos começar por onde tudo começou.

Matthew Rogers P.O.V's
  Era o baile de encerramento da oitava série, o sonho de todo adolescente de 14 anos era ir a um daquele. Bebidas alcoólicas eram totalmente proibidas mas os rebeldes sempre davam um jeito de colocar um pouco de álcool sem que ninguém visse deixando todo mundo que bebesse aquele ponche muito louco e no outro dia com uma ressaca. Eu estava com ela. SeuNome White, nada me importava já que, eu estava com a garota considerada a mais bonita da escola e o melhor: não era popular. Dias antes do baile eu e meus amigos havíamos feito uma aposta, se eu conseguisse ir com SeuNome ao baile, eu iria ser batizado, não entendi muito bem o que eles queriam dizer com aquilo. 

 Ela estava linda vestida com aquele vestido rosa rodado e com aquelas sandálias pretas que davam destaque a cor do  vestido. Quando entramos no ginásio vimos logo as amigas dela dançarem na pista com seus pares, nem nos notaram então fomos pegar um ponche para começarmos a noite. Algumas horas se passaram e com ela a noite também, ao fim do baile, meus pais foram nos buscar e deixaram SeuNome na casa dela e disfarçadamente antes de descer demos um selinho.

 No mesmo dia, fiquei na casa de um amigo e lá perdi a virgindade com uma das líderes de torcida, um tipo de batizado para quem entra no time da escola. Nos dias seguintes eu e SeuNome ficamos muito próximos um do outro e eu estava gostando disso. Começamos a ficar mais do que amigos e eu não queria assumir um relacionamento sério e largar as líderes de torcida que estavam a minha disposição a toda hora então sempre que podia eu traia SeuNome com uma delas. Certo dia vazou um vídeo meu transando com a líder das líderes e SeuNome acabou vendo, de certo ela ficou abalada, estávamos namorando sério e ela gostava de mim de verdade, mas eu não, não sentia nada por ela a não ser pena.

 Quando os dias se passaram depois do acontecido eu finalmente percebi o quanto ela era especial, sempre a via nos corredores da escola com as amigas sorrindo mas eu sabia que a noite ela molhava o travesseiro quando chorava ao lembrar do quanto eu a magoei. Percebi tarde demais a garota legal e gentil que ela era, percebi que tinha magoado um coração que não merecia sofrer e então eu tentei voltar com ela, mas eu já tinha a perdido. Me senti mal, obcecado por ela, pra mim nada entre nós tinha acabado. Até que depois de dois anos Liam Payne apareceu na vida dela. Obviamente fiquei abalado, destroçado, quebrado e queria acabar com ele por estar com a minha garota, era difícil pra mim aceitar que depois de dois anos ela finalmente estava namorando outro cara. Fiz algumas bobagens e brigamos, saímos no soco, SeuNome brigou, comigo me fez de tapete e então depois de tanta coisa eu conheci Mendy Jones. 

Ela não é a garota perfeita, já cometeu erros e dos graves mas a conheci mais na detenção. No começo brigamos muito e ela me chamava de intrometido mas acabamos ficando amigos e me vejo perdidamente apaixonado naqueles olhos azuis. Mendy tem um segredo, ela é adotada e isso me fez a querer mais ainda, afinal eu também sou, nem todo mundo sabe se sabem não comentam tanto e isso é bom. Vi em Mendy o que vi em SeuNome, mas o lado bom da história é que eu estou perdidamente apaixonado por Mendy Jones, apesar de todo mal que ela tenha feito, ela é uma boa garota, basta você conhecê-la.

 Quando acabei a história Liam me olhava fixamente, até cheguei a pensar que ele não iria piscar mas em um descuido ele piscou e abriu a boca soltando um suspiro leve, acho que era alívio.
Liam: Acho que você não é tão babaca quanto eu pensei.
Eu: Digo o mesmo de você, achei que já ia sair me socando quando disse que magoei sua garota.
Liam: Não é bem assim.- ele riu de leve- Está namorando com a Mendy?
Eu: Não... ainda. É só uma questão de tempo, acho que ela também está gostando de mim e isso é bom. Assim eu não sofro e nem sou pisado. Vou convidá-la pra ir ao baile.- eu estava animado-
Liam: Hum.- disse com ar de quem não se importava- Mas o que explica você ter me sabotado no dia do teste final pra entrar no time?
Eu: Eu não te sabotei.- eu estava sendo sincero- Você confiou demais em mim e não fez a sua parte que era ao menos tentar se destacar, eu estava tentando te ajudar e você me olhava como se eu fosse idiota.
Liam: Eu não estava entendendo nada.- ele fez uma careta, bateram três vezes na porta e então ela se abriu-
- Com licença priminho....- ela deixou as palavras seguintes no ar quando viu Liam-
Liam: Abby? O que está fazendo aqui?


Continua...
Passando rapidinho só pra postar, até logo. :)

6 comentários: