Moments - Capítulo 11

| | |

I kissed a girl and I liked it...

Dora Devine

— Nossa, vocês demoraram!

Olhei bem para a cara de Josh e ergui uma de minhas sobrancelhas. Em resposta e com uma cara de idiota desentendido, ele também ergueu uma de suas taturanas para mim, que ignorei e me sentei em um dos dois bancos vagos entre ele e Eleanor. O estádio estava lotado de torcedores, tanto de Doncaster Rovers quanto de Leeds United F.C, que iriam entrar em campo em alguns minutos. E como uma pessoa sem experiência nenhuma com estádios e jogos de futebol, eu me sentia mais animada para assistir ao jogo, apesar da raiva que eu havia passado algum tempo antes.

Malik estava sentado ao meu lado, provavelmente conversando com Josh sobre o acontecido e, tomara, o culpando por tudo aquilo. Era o mínimo que eu esperava dele, já que o que Malik está dizendo não chegará aos pés do que ele veria quando estivéssemos em casa sozinhos. Eu precisava me vingar da humilhação pública que ele me fez passar duas vezes seguidas. Miserável. 

— Dora, Dorinha, me conte agora todos os detalhes! - Eleanor exigiu ao meu lado, enquanto Danielle sorria com a boca cheia de cachorro quente.
— Detalhes do que? - eu curiosa questionei, recebendo um olhar pervertido da primeira. 
— É que o ódio muitas vezes se torna tensão sexual. - ela explicou dando os ombros, enquanto Danielle só faltava morrer engasgada de tanto rir.
— Eleanor, você é uma pervertida! - eu exclamei arregalando os olhos, a vendo rir com vontade junto com a amiga.
— Então o que quer que pensemos que aconteceu? Que ficaram presos no trânsito? Que acabou a gasolina do carro e vieram guinchados?

Seria cômico se não fosse a mais pura e trágica verdade.

Eu estava formulando a resposta quando fui interrompida pelo grito e o ato súbito de Eleanor ao se levantar, o que me fez perceber que seu namorado já havia entrado em campo e acenava pra ela todo fofo. Assim como todos os outros torcedores que estavam naquele mesmo ambiente, eu me levantei e comecei a bater palmas como uma tiete maluca num show do Fábio Júnior prestes a jogar uma calcinha em cima do palco. Tudo bem, só uma tiete do Fábio Júnior. Melhor assim.

O Galvão Bueno londrino começou seu discurso de dentro da sua cabine que estava bem atrás de mim, falando de um jeito rápido e desesperado, o que me impediu de entender um monte de coisas e bater palmas junto com os outros pra fingir que eu estava super por dentro do assunto, só pra não perder a pose. Mas para a defesa do meu intelecto, devo citar que entendi a palavra "beneficente" e fiquei muito feliz, obrigada.

Quando ele começou a apresentar o time e os jogadores, eu comecei o coro de uma versão de "lindo, tesão, bonito e gostosão" em inglês quando o nome de Louis foi dito, causando uma gargalhada nele e nos outros meninos, que batiam palmas junto. O resto me olhava como se eu fosse uma fugitiva do manicômio e eu fiquei tipo "gente, piada interna", enquanto minhas bochechas coravam pelo mico. 

Logo a bola começou a rolar e os jogadores de ambos os times se espalharam pela grande área verde, correndo de um lado para o outro, suando e deixando á mostra suas pernas bem torneadas, peitoral bem malhado, costas bem desenhadas... Bom, eu não entendia muito de futebol e precisava me entreter de alguma forma, até porque quando fingi entender o que estava acontecendo, acabei comemorando um gol do time adversário, o que causou alguns olhares feios. Era melhor eu ficar quieta, não era?

E ali, no meio das minhas observações físicas dos jogadores, vi uma loira grudada na grade que separava o campo da arquibancada, gritando como uma louca, num sotaque forte que chamava pelo nome de Louis mais vezes que qualquer pessoa poderia suportar. Quando ele chegava perto da grade, ela parecia estar tendo um ataque epiléptico e juro que uma vez eu até me levantei pensando que era mesmo isso.

E aí me lembrei que Louis era famoso. Essas crises de loucura eram bastante comuns em qualquer lugar do mundo e, apesar de já estar acostumada com esse tipo de comportamento, Eleanor ficava um pouco irritada. Enquanto a loira tietava de lá, ela observava de cá.

— Quer que eu grude um chiclete no cabelo dela? - Danielle questionou seriamente para a Eleanor, que apenas negou com a cabeça, enquanto eu ria como uma hiena.

Mas parei de rir quando eu reconheci aquela voz. Estreitei o olhar para ver mais de perto e aí sim eu pude constatar. A loira maluca com ataques epilépticos constantes era a mesma que me encontrou no banheiro da lanchonete, a mesma que me encontrou no banheiro da universidade e a mesma que havia se tornado a primeira estranha e falar comigo em Londres. Chloe Morrison era a menina que tinha seu cabelo ameaçado pelo chiclete que Danielle mascava.

— Que surpresa te ver por aqui!

Ela pareceu se assustar ao ouvir minha voz, mas quando colocou seus olhos azuis sobre mim, abriu um sorriso grande e me abraçou de repente, me deixando meio sem jeito. Digamos que eu não sei lidar muito bem com excesso de amor, carinho, consideração, abraços, beijos... Mas retribui genuinamente.

— Hey, Dora, o que faz aqui? - Chloe questionou assim que nos afastamos.
— Ué, o que se faz num estádio de futebol? - eu perguntei rindo, vendo-a arregalar os olhos junto com um sorriso grande.
— Caramba! Você não me disse que jogava no time feminino! - eu comecei a gargalhar, vendo-a me encarar com um olhar confuso.
— Chloe, eu mal sei parar em pé, quem dirá correr atrás de uma bola! - ela começou a rir também, parecendo mais aliviada.
— Então você veio assistir o jogo, né? - eu assenti e ela sorriu - E veio sozinha?

Aquela pergunta me paralisou por alguns segundos. Eu não sabia se deveria omitir o fato de estar aqui com One Direction inteiro, mesmo eles estando algumas cadeiras longe de nós duas (o que me fez pensar se ela reparou nas pessoas ao seu redor). Se ela já havia surtado por ter visto o Zayn hoje de manhã e estar quase se suicidado por causa de Louis, o que vai acontecer se eu direcionar seus olhos para os bancos bem atrás de nós? One Direction + namoradas = Chloe morta?

— Bom, na verdade não...

Sem saber como terminar minha frase, apenas usei o dedo indicador para mostrar discretamente que eu não estava mesmo sozinha. Assim que os olhos dela seguiram a linha das cadeiras onde estavam todos sentados, eles se esbugalharam de um jeito que eu quase estendi as mãos debaixo deles temendo que caíssem.

— Dora, eu estou sonhando? 



— Bom, espero que não, porque não é sempre que você vê sua banda favorita bem embaixo do seu nariz.

Acho que nunca vi alguém tão feliz em toda a manhã vida. Nem mesmo eu quando era criança e mimada pelos meus pais ganhando tudo o que eu queria, ganhava de Chloe. Parecia que havia recebido todo o tesouro do mundo em suas mãos. Antes que eu falasse qualquer coisa, um grito de várias vozes misturadas se fez ouvir no estádio, chamando nossa atenção para o campo, onde Louis corria com um sorriso enorme no rosto e seus companheiros corriam atrás, o abraçando e sorrindo igual. Ele havia feito um gol e o estádio inteiro havia entrado e êxtase. Inclusive eu. Principalmente Chloe.


MINUTOS DEPOIS...

— Pessoal, essa aqui é a Chloe.

Harry foi o primeiro a cumprimentar a garota, abrindo um sorriso gentil e a abraçando forte. Liam, como sempre, também muito simpático, elogiou os olhos dela e também a abraçou de um jeito terno, fofo. Eleanor e Danielle apesar de terem se sentido um pouco ameaçadas por ela, foram muito simpáticas e trocaram beijos no rosto e sorrisos com ela. Malik também, apesar de ser um babaca comigo, foi muito fofo com ela. Sorria o tempo inteiro e tirou várias fotos com ela. Josh a abraçou e pediu para que ela fosse a um show deles qualquer dia. Ela nem piscou. As apresentações estavam indo muito bem, obrigada, mas as coisas começaram a mudar quando chegou a vez de ela falar com o último cara da banda que faltava pra ela conhecer. No momento em que Niall sorriu pra ela, eu sabia que nada de bom iria sair daquilo.

— Oi, princesa.

Foi aí que o mundinho da pobre Chloe caiu. Literalmente. Só bastou Niall abrir a boca que ela despencou desacordada do meu lado, fazendo eu me desesperar por um segundo e o irlandês junto com os outros meninos se levantarem com o susto.

— Chloe?

Eu me abaixei ao seu lado chamando por seu nome, mas obviamente, não houve nenhuma resposta. Eu olhei para Niall desesperada, o que o fez sair de sua cadeira e pegar Chloe no colo. A coitada estava mesmo parecendo morta e eu estava já com o coração na mão. Não pensei que ela fosse dar um treco ao falar com Niall. Se bem que ele sempre foi o preferido dela na banda, segundo suas próprias afirmações. Tudo bem, faz sentido. Se eu conhecesse Johnny Depp provavelmente entraria em coma no mesmo instante.


DEPOIS...

— Ela só teve uma queda de pressão. Já foi medicada pelo soro e assim que acordar pode ser liberada. - a enfermeira disse sorridente e sorri também, aliviada.
— Obrigada.

Depois de abrir mais um sorriso, mostrando seus dentes brancos e alinhados, a moça saiu do pequeno quarto atrás da cabine do locutor, deixando Niall e eu com a Bela Adormecida em cima de uma caminha bonitinha e toda branca. Os olhos azuis não saiam de cima dela e eu já estava começando a estranhar. Tudo bem que ele poderia ficar preocupado, eu também estava, mas não ficava secando ela desse jeito. Ai, ai, irlandês!

— O que será que fez a pressão dela cair, hein? Será o calor? - eu encarei o irlandês e comecei a gargalhar, vendo-o erguer a sobrancelha pra mim, confuso. 
— Calor? Só se for o calor que ela sentiu quando te viu, né? - ele ainda parecia não entender, juntando ainda mais suas sobrancelhas e franzido a testa branca e espinhosa.
— Nialler, acorda! Você é o favorito dela!

Assim que eu disse essa frase, o loiro ficou todo vermelho igual uma pimenta malagueta, me fazendo sorrir e apertar suas bochechas, lhe fazendo rir. Às vezes eu tinha vontade de colocar ele num potinho. Uma movimentação em cima da maca nos chamou a atenção, vendo Chloe abrir seus lindos olhos azuis e um sorriso enorme ao ver os olhos semelhantes de seu membro favorito de sua banda favorita.

— Boa tarde, Bela Adormecida! - Niall cumprimentou abrindo um sorriso.
— Será que morri e estou no céu?

Quando ela respondeu, eu sabia que ela estava bem e que eu deveria deixar esses jovens gafanhotos sozinhos. Estavam tão distraídos que nem me viram sair e tropeçar na porta. Já sentada no lugar onde eu estava sentada antes, ao lado de Eleanor e o Conde Drácula, eu percebi que aquele lugar estava meio estranho. Isso não era pra ser um jogo de futebol? Então cadê os jogadores gostosos, digo, talentosos? 

— Ué, já acabou o jogo?
— Não, é final do primeiro tempo. - eu assenti, entendo que eu havia perdido metade do jogo. Mas pelo placar, pelo menos, estava dois á um para o Doncaster. Legal. Antes que eu pudesse fazer qualquer coisa, a voz embaralhada do cosplay de Galvão se fez presente novamente, agora falado com um pouco mais de calma, o que me ajudou a entender pelo menos um pouco do que ele dizia pela primeira vez no dia.

— E agora, enquanto nossos jogadores se preparam para voltar ao campo, deixo para vocês com a nossa famosa Kiss Cam!

Ah, o estádio foi a loucura, afinal, quem não gostava de beijar? Sentada e entretida vendo o amor das pessoas no telão e todos batendo palmas animados, eu ria a cada careta e beijo atrapalhado ao lado de uma Eleanor orgulhosa e uma Danielle faminta. Até ver minha cara de trouxa na tela. A vontade de rir acabou na hora. E claro, eu não poderia ter presença pior ao meu lado no telão. Era Zayn Malik ao meu lado, com a mesma cara de trouxa que eu estava quando me vi. Tudo bem, universo, já entendi que nasci pra me ferrar.

Percebendo a falta de atitude do casal da tela, fazer um coro de "beija, beija, beija..." não parecia suficiente pra eles. Houveram assobios, palmas e gritos de incentivo. Até que senti uma mão delicada em meu queixo virando meu rosto para o lado esquerdo e uma boca colar na minha num selinho rápido. Gritos, palmas, uma Eleanor risonha e divertida ao meu lado e nossa homenagem a Hebe Camargo sendo replayzado na tela várias vezes. E se a palavra replayzado não existe acabei de inventar.

— Parece que Louis Tomlinson tem uma forte concorrente, hein?!

Eu caí na gargalhada junto com o estádio inteiro, me sentindo muito bem, obrigada. Até porque, quem diria que Eleanor Calder seria mais macho que o suposto galanteador da boyband mais famosa do mundo?


GUESS WHO IS BACK!!!!
Migas e migos, depois um longo tempo longe da internet e de tudo o que tem a ver com isso, voltei com a atualização da fanfic para a felicidade de vocês (espero). Antes de tudo, gostaria de dizer que senti muita falta disso aqui, porém essa viagem até me fez bem, porque voltei cheia de ideias novas para a fanfic. E uma dessas ideias me fez modificar o final do capítulo dez. Nada que mude todo o contexto da história, mas que vai ser importante pra os próximos aqui. Então, se quiserem e puderem, please, passem lá pra dar uma lidinha, right? Bom, agora comentem aí embaixo o que acharam desse capítulo com um gostinho de beijo lésbico hahahaha xoxo

4 comentários:

  1. Adorei ♡
    Els sendo diva <3
    Continua

    DS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou amor, agradeço por isso ♥ E vou continuar sim, o capítulo já está em andamento (:

      Excluir
  2. Maria Eduarda Zancanelo6 de agosto de 2015 17:59

    Perfeito perfeito perfeito. Continua logo. Gostou daqui?? Espero q volte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu gostei da Bahia? Claro que sim, eu passo as férias aí desde que me entendo por gente, não tem como não amar! hahaha E agradeço o carinho sobre a fanfic, anjinho, postarei em breve! ♥

      Excluir