Danger In Love - Capítulo 19 / 2ª Temporada

| | |
"Em três anos temos enfim paz"

Autora P.O.V's

O barulho dos saltos de Megan era o único barulho que podia ouvir naquela rua deserta. Não tinha medo do que poderia lhe acontecer, a única coisa que queria agora era poder sumir e fazer com que ninguém mais se machuque por sua causa.
Já fazia cerca de uma semana e meia em que Jay estava internado naquele maldito hospital e nenhum sinal de Morgan. Estavam todos preocupados, por isso alguns (Demi, Emma, Liam e Richard) tiveram de voltar para casa, enquanto os outros continuavam naquele hotel a espera de que um dia Morgan voltasse para aquele lugar.
Mas ela nunca voltou...
Pegou as chaves de seu carro em sua bolsa e olhou para os lados, sentindo que de longe alguém a observava. Adentrou no carro e colocou a sua bolsa no banco do passageiro. Deu partida no carro e lentamente seguiu seu rumo de volta para o hotel. Não gostava daquele lugar, lhe trazia péssimas lembranças.
Deveria ser mais esperta, se sentia estúpida por ter confiado tanto nas pessoas. O sentimento de culpa por Lucy, seus pais e outras pessoas como aquele policial não iria sair tão fácil. Por causa dela aquelas pessoas estavam morta, e prender Kennedy ou simplesmente matá-lo não iria trazê-las de volta. Sabia que Emma tinha um certo ódio por ela. Afinal, sua irmã morreu pelo simples fato de Emma ser amiga de Megan. A loira entedia a amiga, também se odiaria caso seu irmão morresse sem saber de absolutamente nada do que estava acontecendo. Megan só queria que tudo isso acabasse...
Parou o carro no sinal e ligou o rádio. Talvez um pouco de música a fizesse esquecer tudo o que tem de acontecido. Fechou os olhos um pouco e ouviu a música acompanhada da chuva que começava lá fora. Se assustou quando ouviu alguém bater no vidro do seu carro, e quando olhou viu um homem encapuzado. Sem esperar o sinal abrir, deu partida e tentou ir embora.
Tentou...
O homem encapuzado quebrou o vidro do carro, o que a obrigou a parar. Sem ter tempo de trancar as portas, o homem as abriu e arrastou a loira pelos cabelos. A rua estava deserta, o que desesperava Megan. Amaldiçoava-se por ter dito que queria sumir. No final das contas, não era isso que ela queria.

Megan: Por favor, me deixe!

A loira pedia. Mas antes que pudesse dizer algo mais, o homem colocou um pano sobre seu nariz e boca. Sentiu um cheiro estranho, um cheiro no qual não conseguia explicar. A sua visão começou a falhar e a sua respiração também. Seus batimentos cardíacos ficavam fracos a cada segundo que se passava, e sem que percebesse, fora colocada no porta-malas de um carro já desacordada.

[...]

O mal cheiro fez com que a garota acordasse. Tentou se mexer, mas infelizmente foi um ato que não fez com sucesso. Abriu os olhos e se encontrou em um lugar escuro e fedido. Estava sentada, seus braços e pernas amarrados por uma corrente e uma dor imensa em algumas partes do seu corpo. Sua roupa estava rasgada e via alguns hematomas em suas coxas. O que havia acontecido com ela? Não se lembrava de absolutamente nada depois de o homem tê-la atacado.

A porta se abriu, e logo uma luz foi ligada. Semicerrou os olhos para ver melhor e viu um homem se aproximar. Possivelmente o mesmo que a atacou e ao conseguir ver melhor, a raiva tomou conta da loira.

Megan: Você.
Kennedy: Eu. - Deu um sorriso malicioso.
Megan: O que fez comigo? - Kennedy pegou uma cadeira que estava mais ao canto e sentou-se de frente para Megan. Ela sentia nojo de olhar para ele, tinha nojo de tê-lo deixado ser seu amigo durante tanto tempo. - O QUE FEZ COMIGO? - Novamente perguntou, dessa vez aumentando seu tom de voz.
Kennedy: Com você eu ainda fiz pouco. - Passou as mãos pelos cabelos loiros da garota que imediatamente se esquivou para trás. - Você ainda precisa estar viva para que eu possa me satisfazer um pouco.
Megan: Como assim? - Uma lágrima caiu sobre seu rosto.
Kennedy: Olha esses hematomas... - O psicótico dizia enquanto passava a mão pela coxa de Megan, que infelizmente não podia fazer nada para impedi-lo de tocá-lo. - Devem estar doendo, não é? 
Megan: O que... quer de mim? - Perguntou baixo, fechando os olhos e deixando lágrimas caírem.
Kennedy: De você eu não quero nada.
Megan: Está se divertindo, não é? Está gostando de me ver chorando e com medo de você? Aproveite, querido! Esse seu sorriso não vai durar por muito tempo!
Kennedy: Ah, sim! Ele vai!

Kennedy se aproximou da garota ainda mais e forçou-a a beijá-lo. Megan tentava impedi-lo, mas ele era forte e ela estava completamente amarrada. Ele segurou em suas coxas, as apertando ainda mais. Severamente, abaixou o short que Megan usava, fazendo-a gritar por ajuda quando o mesmo parou de beijá-la.

Kennedy: Ninguém irá escutá-la, amor!

As lágrimas já caiam com mais intensidade. Megan desesperou-se quando Kennedy abriu o zíper de sua causa e abaixou-as, fazendo o mesmo com a sua cueca e logo em seguida retirando a calcinha da loira. Sem nem um aviso, ele a penetrou forte, fazendo-a gritar de dor. Megan não era virgem, mas a dor foi imensa, como se estivesse sendo rasgada por dentro. Ele a penetrava, e sorria ao vê-la gritando e pedindo socorro. Não se importava com a cadeira quase quebrando, só se importava em sentir prazer.
Já satisfeito, retirou seu pênis de Megan e vestiu as suas calças, mas ainda assim deixou Megan seminua em sua frente. Ela chorava, se sentia suja, se sentia envergonhada. Kennedy deu um último sorriso e saiu daquela sala, deixando a loira já abusada e pronta pra em breve ser morta.

Megan: Qual é o gosto da vingança? - Perguntou antes que ele fechasse a porta. O maníaco a olhou e respondeu:
Kennedy: Eu não sei! A vingança é um prato que se come frio, e no meu prato estava frio demais. Ainda estou a saboreando, sabe? Talvez quando eu tiver terminado de comer eu lhe diga qual é o gosto quando for visitar o seu túmulo, querida. - E assim, trancou a porta. Certificando-se de que ela não sairia dali tão cedo.

[...]

Seu coração acelerava enquanto via o corpo de sua amiga ali, jogado no chão como se não fosse nada. Passou a mão no rosto limpando as lágrimas quando ouviu Kennedy vir de sua visita diária a Megan. Fazia três dias que ele a mantinha em cativeiro, e Justin simplesmente sentia-se sujo por tê-la sequestrado. Não tinha culpa, havia sido obrigado a sequestrá-la. Se não o fizesse, sua família toda seria morta em sua frente, e ele não duvidava de que Kennedy faria isso.
O garoto vinha em sua direção com um sorrido enorme no rosto, sorriso esse que Justin adoraria desfazê-lo dando-lhe vários socos em Kennedy. Se pudesse, acabaria com a vida do desgraçado ali, mas ele não podia, não quando pensava na sua família.

Justin: Se divertiu muito? - Perguntou, cruzando os braços logo em seguida.
Kennedy: Ah, claro, eu me diverti muito!

Diferente dos outros dias Kennedy mantinha um sorriso muito mais sombrio que antes. Sabia que ele tinha feito algo com Megan, e Justin estava muito curioso para saber. 

Justin: O que você fez com ela? - Perguntou alterando a sua voz, não iria suportar ver que Kennedy estava maltratando sua amiga.
Kennedy: Nada. - Riu. - Eu apenas me satisfiz enquanto via ela gritar de dor e pedindo ajuda, agradeço por você não ter ouvido isso.

Não conseguindo se controlar, Justin deu-lhe um soco. Kennedy sorriu malicioso e logo retribuiu o mesmo soco em Justin, diferente dele, Kennedy não parou. Continuou socando e socando Justin, chutando-o e o deixando gravemente ferido. Já satisfeito, olhou para Justin e cuspiu em seu rosto, O garoto se levantou e olhou para Kennedy, desejando com todas as suas forças que ele morresse da maneira mais brutal que pudesse imaginar.



Em um carro preto sendo dirigido em alta velocidade por Kennedy se encontrava um Niall completamente assustado. Não gostava de estar dentro de um carro em alta velocidade numa estrada com curvas apertadas como aquela, mas em simplesmente pensar em que Megan poderia estar totalmente morta isso fazia com que ele parasse de ter medo.
Viram o carro de Justin e perceberam que ele estava certo. Ele realmente sabia onde a loira estava.
Saíram do carro e os três garotos totalmente zangados e disposto a fazer qualquer coisa por Megan caminharam até aquele prédio abandonado. Ao entrarem, conseguiram ver claramente Kennedy batendo em Justin e o mesmo não podia fazer absolutamente nada para se proteger. Ao acabar, o cretino cuspiu no rosto de Justin que se levantou devagar e fazendo algumas caretas por causa da dor.

Richard: Você definitivamente é um cretino! - O moreno disse chamando a atenção do maníaco. Ele deu mais um de seus sorrisos maliciosos e seguiu até uma porta, onde lá abriu e entrou e logo trouxe consigo Megan com alguns hematomas no corpo e totalmente apavorada.
Kennedy: É isso o que vocês querem, não é? - Sorriu. - Então peguem! - Ele jogou a garota no chão com brutalidade, o que a fez bater a cabeça. Louis correu para ajudá-la, e a mesma o abraçou e continuou a chorar.
Louis: Como pode ser tão monstro? - Louis perguntou e ajudou a sua amada a se levantar.
Kennedy: Consigo da mesma forma que a sua namorado é uma.

Megan estava completamente abraçada a Louis, e ele segurava em seu cabelo enquanto a abraçava. Ele olhou para a garota e analisou todo seu corpo, totalmente preocupado com os seus hematomas. A raiva o dominava, queria matar Kennedy a qualquer custo. A loira segurou em seu rosto e o beijou agradecida, estava feliz por ele ter vindo salvá-la.

Kennedy: Se eu não posso ter a Megan para mim...

Kennedy se moveu e pegou uma arma que estava em um bolso de sua jaqueta. Ninguém havia reparado em seu movimento, os quatro garotos estavam preocupados demais com Megan para notar Kennedy ali, armado. Na mente de Justin ele se questionava por isso ter sido fácil, fácil até demais. O mesmo Richard pensava.

Kennedy: ...Ninguém mais pode...

E apontando a arma para a cabeça de Louis o psicopata deixou algumas lágrimas caírem. Justin viu Kennedy com a arma apontada para Louis e imediatamente pegou uma faca que guardava consigo. Um grande barulho foi ouvido, e no mesmo instante Justin jogou a faca na direção de Kennedy no qual fora acertado em seu pescoço. Com dificuldade, ele olhou para baixo e viu a faca encravada em seu pescoço. Logo seu corpo caiu completamente sem vida no chão.

Richard: Megan... - Baixinho Richard disse olhando para Megan. Seu peito logo começara a sangrar e seu braço segurava o de Louis. Richard o havia salvado.
Megan: RICHARD! - Ela gritou o seu melhor amigo caiu, mais lágrimas ela deixou cair, se é que isso ainda era possível.

Continua...
Dessa vez foi em rápido, não?
Quem tiver assisto Maze Runner irá perceber uma grande semelhança essa cena final com o filme. Eu me baseei numa das cenas finais do filme, a cena que parte meu coração.
Bem, vocês ouviram Drag me dow? Eu simplesmente estou viciada nessa música! O fandom tem estado louco ultimamente, não é?
2015 não tem sido um ano tão bom pra mim, perdi alguns parentes e cometi erros terríveis (pelo menos pra mim são terríveis). Mas eu estou de volta, e pretendo terminar essa fanfic e trazer uma ainda melhor para vocês.
Um beijo!

Um comentário:

  1. Alguem me segura.
    NÃO PODE ACABAR NAO, TEM Q TER ATE A 2974223819 TEMPORADA
    JK MOOOOOORREEEEEEEUUUUUUUU
    RICHARD MEU AMORRRRRRRRRRRRR <3 Ele podia ter dito um "Eu te amo" pra megan. tadinho
    Espero q megan e louis se casem e tenham 5 filhos

    ResponderExcluir