Moments - Capítulo 06

| | |

Trouble, trouble, trouble...

Dora Devine

Tudo o que eu queria naquele momento era que parassem de me olhar daquela forma. Era tão ruim assim ter que fingir um relacionamento com alguém que eu odeio pra me livrar de um namorado, digo, ex-namorado pela saco? Eu acho que não. E também não é como se eu fosse passar minha vida inteira fingindo. Foi só hoje. Por isso, eu inventei que precisava fazer uma visitinha ao banheiro para tentar fugir, nem que por alguns segundos, daquele constrangimento todo. Argh, era muito embaraçoso!

Ao entrar no banheiro, eu vi que haviam duas meninas ali. Uma loira e outra morena, que por algum motivo retocavam a maquiagem no espelho ali — digo isso porque não tem necessidade de maquiagem numa lanchonete, apenas se você acordar feito um zumbi, que foi o meu caso. Wathever. Percebi que minha presença causou algum desconforto ou algo do tipo, pois pararam de falar e começaram a cochichar uma para a outra, me olhando de vez em quando. Não me importei muito com aquilo, afinal, não era mentira que eu precisava fazer uma visitinha  ao banheiro, então eu me enfiei numa daquelas cabines e tratei de fazer o que tinha que fazer ali. Mas dali eu consegui ouvir o que elas diziam.

— Será mesmo? - ouvi a voz de uma das meninas "sussurrar".
— Sim. - a outra respondeu - Você vive dizendo que eles são muito próximos de todo mundo que trabalha com eles, então, ela poderia muito bem ser alguém da equipe deles. 
— Mas as pessoas não saem por aí agarrando colegas de trabalho, Emma! - a menina voltou a dizer com certa aflição na voz. - O Zayn super estava abraçado com aquela menina e para os outros parecia bem natural.
— Chloe, não entendo porque você se importa tanto com essas coisas. E se o Zayn estiver namorando aquela menina, qual é o problema? Deixa ele ser feliz!
— Eu não estou com ciúmes, se é o que está pensando! - respondeu - Eu simplesmente quero saber quem ela é, só isso. Como fã, eu tenho direito, não tenho?
— E como sua amiga, tenho o direito de rejeitar esse tipo de conversa. - a outra respondeu e eu ouvi uma movimentação - Eu sei que você é fã desses caras e eu apoio, mas não quero ficar opinando na vida do coitado. Vem, vamos embora! - e depois de passos, fui deixada no silêncio.

Eu já tinha terminado de fazer xixi e estava até vestida, eu só queria mesmo ouvir a conversa das duas, já que aparentemente, o assunto era eu. Não era uma sensação muito boa ouvir as pessoas falando de você apenas por estar perto de outras, mas pelo jeito, eu teria que me acostumar com isso, já que mais eventos como esse aconteceriam. Digo, sair com o pessoal e ser vista com eles. Eu só espero que ela não tenha tirado foto daquele momento patético entre Malik e eu, porque, Deus me livre, a última coisa que eu quero na vida é ser taxada de affair dele.

De qualquer forma, eu não pretendia passar o resto do dia dentro daquele banheiro, então eu abri a porta e saí dali. Voltei para a mesa onde estávamos antes e onde todos deveriam estar me esperando, mas não estavam. Olhei em volta e percebi que eu estava sozinha no recinto, o que me fez sair da lanchonete com a esperança de que eles estivessem lá fora ou, pelo menos, dentro do carro a minha espera. Mas quando saí, não havia carro e a única pessoa que estava ali fora era o idiota do Malik.

Eu sei que isso é completamente patético, mas eu não queria perguntar pra ele onde estava todo mundo. Aquele momento dentro daquela lanchonete foi lindo, foi fofo, foi romântico e mela-cueca, mas eu ainda o odiava e tinha certeza de que ele também sentia repúdio de mim, então, quanto menos contato, melhor. Tirei o celular do bolso e escrevi uma mensagem para meu irmão, irritada com toda aquela situação.

"Cara, cadê vocês? Eu pensei que vocês iriam estar me esperando, mas pelo visto vocês são péssimos amigos. Dora xx"

E a resposta me deixou completamente nervosa:

"Somos tão bons amigos que deixamos você e Zayn aí no restaurante para ter que voltar pra casa juntos e serem amigos! E, só por precaução, rogo uma praga para que nenhum de vocês consiga pegar um táxi ou qualquer outro meio de transporte para chegar até aqui. Divirta-se! Josh"

Quem eles pensam que são? E depois de fazem de amigos! Revirei os olhos e guardei o celular no bolso da calça novamente, vendo Malik me encarar. A verdade é que eu queria ignorá-lo e perguntar "O que está olhando?", mas eu sabia que ele estava tão confuso quanto eu. Então resolvi abrir uma exceção e explicar o que estava acontecendo.

— Má notícia. - eu disse, sendo completamente ignorada. Será que ele não poderia largar aquele celular por pelo menos dois segundos?
— Pior do que estar aqui com você? - perguntou digitando algo em seu celular, quando um arrependimento grande veio em minha direção e pousou no meu ombro. Revirei os olhos.

— Enfim, nos deixaram aqui. - respondi, revirando os olhos novamente para minha própria resposta. Isso era bem óbvio. - Quer dizer... Ah, toma aqui, leia! - falei entregando a ele meu celular. Ele me encarou por meio segundo, antes de ler a maldita mensagem.
— O que? - ele gargalhou - Essa é a coisa mais estúpida que alguém poderia fazer.
— Eu tenho que concordar. - falei, guardando meu celular de volta no bolso. - De qualquer forma, não acredito em pragas e vou pegar um táxi.

Como sempre, fui ignorada, mas segui para mais perto da rua, vendo se algum táxi estava passando naquele momento, pois tudo o que eu queria era ir pra casa. Mas parece que agora era uma péssima hora pra isso. Todos os táxis que passavam já estavam ocupados e os ônibus cheios demais para a minha paciência. Horário de pico, que maravilha.

Bufei e me voltei a Zayn novamente, mas ele não estava mais feito uma estátua atrás de mim. Um pouco desesperada eu olhei ao redor e vi ele seguindo na calçada, um pouco mais a frente. Derrotada, eu fui atrás dele, já que eu não tinha ideia de como voltar pra casa e ele havia visto o fracasso que tinha sido minha procura por um táxi. Ele me viu atrás dele e juntou as sobrancelhas.

— O que está fazendo? - perguntou e eu continuei caminhando ao seu lado.
— Não consegui um táxi e minha única esperança é você. - falei e ele abriu um sorrisinho com desdém.
— Irônico. - guardou o celular no bolso.


— Estou fazendo isso porque não sei o caminho de casa, Malik, não fique se achando! Grande coisa sua companhia. 
— Não é o que todas dizem.
— Só porque você é famoso e... - quase digo, mas me interrompi a tempo. Ele percebeu minha hesitação e alargou ainda mais seu sorriso insuportável.
— Famoso e o que? - ele riu, me fazendo revirar os olhos pela milésima vez naquele dia.
— Cala a boca, idiota.
— Pode falar, Dora. - começou debochado - Pode falar que você me acha bonito!
— Você tem espelho em casa, panaca, é por isso que tem o ego tão inflado.
— Não seja tão grossa, não vou morder você.
— Mas eu vou se você continuar me enchendo o saco. - respondi entredentes - E, acredite em mim, não será com nenhum pouco de carinho.
— É por isso que seu namorado te deixou.

Silêncio. Ele havia tocado exatamente onde não deveria, mas eu permaneci calada e caminhando ao seu lado como nada tivesse acontecido, apesar de meu coração dar alguns pulinhos e lembranças ruins invadirem minha cabeça. Era ridículo sentir aquilo, porém inevitável. Senti que Malik um pouco tenso ao meu lado, o que demonstrava um certo arrependimento de sua parte. 

— Dora, me desculpe, eu não queria...
— Tudo bem, Malik. - interrompi - Eu sei que não foi sua intenção.

Silêncio novamente. Continuamos caminhando lado a lado, sem trocar uma só palavra ou olhar, o que na verdade não era tão incômodo. Até que Malik parou no meio da rua, me fazendo parar também, um pouco mais a frente. Segundos depois, ele voltou a caminhar novamente, um pouco mais rápido, o que me obrigou a aumentar a velocidade também.

— Merda. - exclamou enquanto caminhava.
— O que aconteceu? - perguntei um tanto preocupada, involuntariamente.
— Paparazzis. - disse e eu olhei em volta, percebendo que havia alguns rapazes que tiravam fotos de longe, mas alguns estavam se aproximando. 
— Isso não é tão ruim. - respondi o seguindo - Nem são tantos. 
— Espera pra ver. - ele disse, me fazendo juntar as sobrancelhas.

E naquele momento, eu quis arrancar a cabeça daqueles babacas por ter nos deixado aqui, sabendo que fãs, paparazzi ou qualquer outra coisa poderia nos atacar. Sinceramente, eu não tinha ideia do que fazer, então eu apenas abaixei minha cabeça e me manti ao lado do idiota, que caminhava cada vez mais rápido. Mas parece que o meu ritmo não estava o agradando tanto. Tanto é que ele deu dois passos para traz e colocou sua mão sobre a minha, me puxando e me fazendo andar um pouco mais rápido, no ritmo de suas pernas. E foi aí que as perguntas começaram. Era tudo o que eles queriam.

— Boa tarde, Zayn. - um deles disse, gentil, e Malik apenas sorriu pra ele. - Espero que não se importe que eu tire algumas fotos.
— É o seu trabalho. - ele respondeu, enquanto o cara dava seus cliques.
— Nova namorada, rapaz? E aquele lance com a tal do Little Mix? - dessa vez Malik ficou em silêncio, apertou mais minha mão e apressou um pouco o passo.
— Me conte como foi planejar a destruição das torres gêmeas, terrorista. - um outro apareceu, rindo de sua piada ridícula, que fez meu coração acelerar. Parei.
— O que você disse?
— Dora, deixa isso pra lá, vamos embora. - Malik pediu, me puxando pela mão.
— Você se acha muito engraçado, não é? - eu ri, irônica, vendo-o me encarar com desdém.


— Vai me dar lição de moral, mocinha? 
— Dora, vamos embora!
— Porque você não tira as porcarias das suas fotos calado, sem insultar ninguém?
— O que eu posso fazer? Ele é o que ele é!

Naquele momento, eu bati a mão com toda a força em sua máquina, que caiu no chão e deixou que um pedaço relativamente grande escapasse. Vi Zayn hesitar ao meu lado, mas me mantive firme onde estava. O paparazzi me olhou como se fosse algo natural, mas tinha algo em seu sorriso que queria me assustar.

— Saiba que eu vou te processar.
— Apenas tente, Mark Johnson. - eu li o pequeno crachá que ele usava - Isso o que você fez é injúria e difamação. Se quer me processar, processe. Vamos ver quem ganha.
— Você é maluca! - ele disse, recolhendo a sua máquina do chão.
— Você ainda não viu nada.
— Dora, chega, vamos embora!

Malik me puxou e eu me permiti ir, sentindo um pouco da raiva se esvair. Por incrível que pareça, eles não nos seguiu e pudemos caminhar tranquilos como estávamos antes. Eu não sabia que aquele cara iria realmente me processar por ter quebrado aquela câmera, mas ele sabia que o errado ali era ele. Sinceramente, minha vontade era de quebrar a cara dele, mas eu me segurei. Acho que a foto que os outros tiraram já seria o bastante.

— Você é louca, Dora! - Malik me disse.
— Eu sei, acabei de ouvir isso. - exclamei normalmente, fazendo-o me encarar.
— Você por acaso tem noção do que fez? 
— Meu padrasto é advogado, Malik, relaxa. - falei, mas ele riu.
— Não estou falando disso. - respondeu - Amanhã você vai estar em todas as revistas e jornais. Espero que esteja preparada.
— Não era bem assim que eu imaginava minha estréia no mundo da fama.
— Menos, por favor, menos. - ele disse, me fazendo rir - E... Eu não queria dizer isso, mas obrigada por ter me defendido.
— Você me deve uma.
— Não devo, não. - respondeu me fazendo encará-lo - Já te ajudei com aquele lance com seu namoradinho.
— Ex-namorado.
— Tanto faz.

Em silêncio, chegamos em casa e assim que entramos, ouvimos vários gritos e assovios, que me fez sentir ainda mais raiva deles. Pareciam estar felizes, como se alguma coisa tivesse acontecido e nós dois estivéssemos como melhores amigos. Tudo bem, tínhamos conversado, isso nunca aconteceu antes, mas isso não havia mudado muita coisa. Eu ainda o achava fútil, egocêntrico e ignorante.

— E então, como foi? - Louis veio em minha direção e, naquele momento, eu percebi que toda aquela ideia fora dele.
— Quero perguntar o que você achava que iria acontecer. - eu falei, me jogando no sofá - Sinceramente, essa ideia foi ridícula e infantil.
— Que isso, Dora, só queríamos ajudar vocês dois. - Josh disse vindo em minha direção - Ninguém nunca entendeu o porque de vocês dois se odiarem tanto. Zayn?
— Vocês são um bando de idiotas. - ele disse, sentado no sofá com os olhos presos no seu celular, como de costume. - Ah, a Dora conseguiu um processo. 
— Não é bem assim! - eu exclamei, sentindo olhares sobre mim.
— O que você fez, Dora? - Danielle perguntou, aparentemente preocupada.
— Apenas jogou a câmera de um paparazzi no chão como se fosse a coisa mais natural do mundo. - Zayn disse, me fazendo encará-lo.


— Pare de ficar contando a história pela metade, você sabe que não foi simplesmente assim. - respondi - Eu estava te defendendo!
— Você não precisava ter exagerado daquele jeito! - respondeu - Você tem sorte por ele realmente não procurar por você.
— Olha, quer saber, você é um idiota, Malik! - respondi - Não sei porque ainda estou falando com você!

Subi correndo para o meu quarto, sentindo aquela raiva de minutos atrás voltar com ainda mais intensidade. Entrei em meu quarto e senti uma vontade louca de jogar tudo no chão ou, melhor, jogar tudo na cara dele. Como ele conseguia ser tão ingrato? Argh, que ódio, que ódio! 

— Dora? - Eleanor entrou no quarto ao lado de Danielle. - Tudo bem por aqui?
— Não, tudo péssimo! - eu exclamei me jogando na cama, bufando.
— Como pode vocês dois se odiarem tanto? - Danielle comentou rindo sentando na cama.
— Eu não entendo como vocês podem olhar pra mim e dizer que ele é um amor de pessoa e tudo mais. - eu respondi - Eu não consigo enxergar isso, ele é sempre um idiota!
— Tudo bem, já entendemos, você sempre fala isso. - Eleanor disse, rindo - Agora, temos uma surpresinha pra você!

De suas costas, ela tirou um envelope branco, que me deixou completamente confusa. Será que era um envelope cheio de dinheiro? Porque se fosse, sinceramente, era o melhor presente de todos os tempos. Mas eu sabia que não era. Ela sorria ao lado de Danielle, me entregando o envelope, enquanto eu tentava imaginar o que poderia estar ali dentro. 

Com as sobrancelhas juntas, eu rasquei a lateral do envelope e tirei de lá uma outra folha branca, desdobrando-a e lendo seu conteúdo. Eu quase tive um ataque quando eu percebi do que se tratava. Era uma carta de aceitação da universidade Central Saint Martins, uma das melhores universidades de artes de Londres. E adivinha: eu havia sido aceita!

Londres, Inglaterra 06 de Setembro de 2015

Prezada Srta. Dora Devine,

Tenho o prazer de informar que você foi aceita na Universidade Central Saint Martins, para o curso de Design de Moda, com duração de quatro anos. É importante também informar que as aulas começaram na segunda semana de setembro, sendo efetuada a matrícula anteriormente. Obrigada por escolher Central Saint Martins e Boa Sorte!


Hello, pessoas do meu Brasil Varonil, tudo em cima?
Bom, eu decidi que já estava na hora de postar mais um capítulo da fanfic, então, aqui está. Espero que gostem e se sim, comentem - comentem se não gostaram também, ajuda. Fiquem com Deus xoxo

15 comentários:

  1. Maria Eduarda Zancanelo20 de junho de 2015 19:15

    Gente q perfeito, amei, amei amei. Vou passar uns dias fora por isso não vou poder ler nem comentar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada meu anjo, já postei, viu?! Leia e comente quando puder, no pressure! (:

      Excluir
  2. Posta logo o outro capítulo ,esta muito boom!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já postei meu anjo, agorinha mesmo (: Fico feliz em saber que está gostando!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Já continuei, amor meu ♥ hahahahaha (:

      Excluir
  4. Ameii, continua lindona !! ♥

    ResponderExcluir
  5. Esse capítulo tá repetido amor..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É msm ,oq aconteceu ??

      Excluir
    2. Poie é, gente, aconteceu uns errinhos aqui, mas eu explico melhor nas notas finais do capítulo 14, okay? (:

      Excluir
  6. Mas era pra ser o capitulo 14 nao?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim amor, aconteceram algumas coisas, mas eu explico no final do próximo capítulo. xoxo

      Excluir