Longfic - When september ends (especial níver do Zayn)

| | |
Capítulo 1

"A forma que eu me espressava, só ele entendia,
 só ele sentia e via no meu olhar, 
o que ninguém mais via."

Nova York - 23:00 hrs

(Seu Nome) P.O.Vs <<- clica no nome

            Pela janela de meu quarto, eu assistia enquanto os portões da mansão se abriam e o carro de meus pais percorria o caminho até a entrada da casa. Peguei os documentos que há pouco encontrara escondidos no escritório do meu pai e desci a escadaria até que estivesse na sala de frente com eles. Não me atrevi em sorrir ou dizer um boa noite, apenas joguei os documentos com força em cima da mesa e disse:

- Quero que me expliquem isso! -exigi- Estão colaborando para a construção desse muro? Isso é um absurdo! -minha voz era um misto de raiva e decepção-
- Filha se acalma... -minha mãe pediu- Você sabe que a construção desse muro será ótima para nós de classe alta.
- Como é que isso pode ser ótimo? -perguntei ressentida- Esse tipo de coisa não é certo! Isso não está certo!
- A construção do muro que separa a classe alta da baixa é um ótimo investimento, não teremos mais que nos preocupar com sequestros ou ladrões ao sair de casa, porque você só terá contato com pessoas da mesma classe que a sua. -falou meu pai e eu me senti extremamente magoada por estar ouvindo aquilo-
- Somos todos pessoas, não existe esse negócio de classes separadas se no fim somos todos iguais! Isso está errado! -meus olhos estavam encharcados, eu simplesmente odiava ver todo aquele preconceito que ainda existia nos dias atuais-
- Você tem 19 anos, não sabe o que está certo ou errado. Deixa assunto de adulto para os adultos! -meu pai esbravejou-

           Ainda com os olhos cheios de lágrimas, peguei as chaves do meu carro em cima da mesa e caminhei até a porta da frente.

- Aonde você vai? -minha mãe perguntou-
- Sair! -respondi virando as costas e saí-

            Sai em disparada da mansão e dirigi sem rumo pelas ruas de Nova York. Já havia parado de chorar mas ainda estava triste por saber que meus pais apoiavam um projeto tão errado como esse. Entrei em umas ruas mais afastadas e escuras, onde muros eram todos pichados. As frases até que eram legais. Percorri mais algumas ruas e desci do carro, havia desenhos bem feitos e umas frases realmente profundas. Caminhei com a botinha de salto que eu estava até encontrar um ser solitário pichando um muro totalmente branco. Parei e fiquei observando de longe, mesmo que aquilo seja considerado vandalismo, eu estava achando uma bela arte. Encostei numa árvore e observei-o até que terminasse. Ele começou a guardar os sprays de tinta numa mochila e eu não percebi que dois caras se aproximavam de mim, bom, pelo menos até que eles perguntassem em voz alta:

- O que você está fazendo aí escondida?

          Eu dei um pulo com a mão no peito assustada e respondi:

- Desculpa eu só estava...
- Xeretando aonde não deve? -completou um- Já percebemos.
- Não, não é nada disso... -tentei me explicar-

         Eles se aproximaram ainda mais de mim e começaram a passar a mão no meu casaco, como se para sentir a textura.

- Que casaco macio, é de marca?
- É de cashmere! -falei me afastando-
- Deve custar caro. E você parece ter dinheiro. Sabe o que fazemos aqui com patricinhas como você?
- Eu não sou patricinha! -respondi engolindo em seco-
- Nós matamos, cortamos os pedaços e depois comemos! -falou o outro-

         Eu estava com o coração na mão, eu não queria ser cortada e comida por humanos, aquilo só podia ser um pesadelo. Foi então que percebi o rapaz que estava pichando o muro se aproximar, ele usava uma espécie de touca que não permitia ver seu rosto. Ele estava com a mochila na mão e falou:

- Jeffrey, Justin, deixem ela em paz. -falou mal humorado-
- A gente só tava se divertindo um pouco Zayn. -falou o mais alto-
- É, você tinha que ver a cara dela quando falamos que comíamos pedaços de gente. Foi hilário! -riu o outro.
- Imagino que tenha sido, mas ela ta comigo, podem ir agora.
- Falou aí cara. -eles fizeram um toque de mão em Zayn e seguiram o caminho na rua.

          Assim que sumiram, o rapaz pichador, Zayn, pegou a mochila do chão e começou a andar no sentido oposto. Como eu vi que ficaria ali sozinha e não queria de maneira nenhuma isso depois do que acabou de acontecer, eu o segui.

- Obrigada! -falei correndo atrás dele, mas ele não respondeu-

           Continuou andando quieto. Eu permaneci ao seu encalço e falei:

- Foi muito bonito aquilo que você escreveu na parede, eu fiquei impressionada.

           Eu tentava puxar conversa, mas na verdade aquilo era só um pretexto pra poder segui-lo até estar perto do meu carro e dar o fora dali. Afinal, se ele me salvou é porque não quer o meu mal, não é?

- Mesmo sendo visto como vandalismo, eu realmente considero arte.

           A ultima frase o fez parar, então já vimos que ele não é surdo. Ele tirou a touca da cabeça e caminhou decididamente até mim. Me encarou por um longo minuto com olhos ameaçadores e achei que fosse derreter com aqueles brilhantes olhos castanhos que pareciam pegar fogo. Tanto que não consegui encará-lo por muito tempo e desviei os olhos fitando meus próprios pés. Pareceu uma eternidade até que ele finalmente falasse.

- O que você quer aqui hein? O que veio fazer aqui?
- Eu... -comecei-
- Conhecemos gente da sua laia, sempre que aparecem aqui é pra ferrar nós pichadores!
- E-Eu nunca faria isso...
- Volta pro seu castelo princesa.
- Espera aí! -dessa vez foi eu quem se alterou- Você não tem o direito de falar assim comigo! Pode ir parando!
- Só porque você pediu? -sorriu debochado- Dá o fora daqui!
- E se eu não der? -desafiei-
- Você não seria tonta a ponto disso. Gente como você não dura um dia nessa parte da Cidade.
- Pois eu tenho certeza de que duro! -cruzei os braços teimosa-

           Ele sorriu pensativo e deixou que as mãos caíssem ao lado do corpo. Largou um pouco do ar agressivo e presunçoso e se aproximou de mim curioso.

- Você é a criatura mais estranha que já vi. -falou me encarando-
- E você não é tão amedrontador quanto acha que é! -falei com a mão na cintura-
- E o que te faz não ter medo de mim? -perguntou desafiador- O que te faz pensar que eu não te mataria aqui e agora?
- O fato de ter me salvado daqueles dois caras agora há pouco.
- Isso não prova nada!
- Então porque não deixou que eles me matassem e cortassem meus pedaços pra comer?
- Porque talvez eu quisesse a presa só pra mim. -ele falou com o nariz a centímetros do meu-

         Senti minhas pernas fraquejarem e coração disparar.

- Você vai me matar? -perguntei engolindo em seco-
- Ah pelo amor de Deus! -ele riu jogando as mãos pro alto- Você acha mesmo que só porque moro desse lado da Cidade eu teria coragem de fazer algo assim? Entende agora porque os desprezamos?

         Ele saiu andando de novo dando-me as costas e eu fiquei parada gritando:

- Isso vai embora mesmo! -gritei- Eu não sou como os outros! Eu só queria alguém que me acompanhasse até o carro mas agora eu tenho certeza absoluta de que consigo chegar sozinha! -falei emburrada-
- É isso aí! -ele gritou acenando sem olhar pra trás- Só cuidado com as ratazanas que pode encontrar no caminho...
- Você disse ratazanas? -gritei apavorada-

Zayn P.O.Vs

         Eu sorria por dentro, estava me divertindo com aquela situação. Contei três, dois, um mentalmente e quando chegou no dois ela já estava ao meu lado novamente.

- Tá legal eu admito, -começou ela- eu não duro uma noite aqui, mas eu tenho pavor de ratos! Por favor, por favor mesmo me ajuda a chegar até meu carro?

             Suspirei pesadamente e me virei pra ela:

- O que te faz confiar em mim? Porque acha que eu sou de confiança?
- Eu... Não sei. Eu só acho que posso confiar.
- Pois então não confie, porque eu não sou de confiança! Eu nem te conheço.

           Qual era o problema dessa garota?

- Então digamos que você seja só nos próximos quinze minutos? Por favor? -implorou-

          Ela só podia ter algum problema de cabeça, mas por algum motivo eu simplesmente me esqueci de como se dizia a palavra a palavra não e me vi sacudindo a cabeça afirmativamente igual um idiota. Eu não era disso, não agia daquela maneira com patricinhas, mas ela realmente parecia diferente como havia dito. Mas eu não daria braço a torcer.

- Não me faça mudar de ideia, vem logo. -falei voltando a andar e ela me seguiu-

          Estava frio e o clima entre nós não era dos mais agradáveis. Ela assoprou um fio de cabelo do rosto e percebeu que eu a observava com um sorriso de lado. Não pensem que eu estava encantado com aquele jeitinho meigo, eu realmente estava achando graça no modo como ela agia.

- Que é? -ela perguntou-
- Nada. -respondi dando de ombros-

           Nós caminhamos por dois longos minutos até chegar ao carro dela. Ela não se atreveu em pegar as chaves do carro e dar o fora, ela apenas ficou olhando pra ele. Achei um pouco fora do normal mas não questionei, afinal, toda aquela situação já era estranha o suficiente.

- Então, -comecei- Está entregue!
- Pois é... Obrigada. -ela falou mas continuou encarando o carro-
- Você não parece certa de que quer ir. -falei raciocinando-
- Porque não estou...

         Ela disse deixando os braços caírem ao lado do corpo e logo então sentando no meio fio com as mãos no rosto. Eu não sabia ao certo como agir então joguei a mochila no chão e sentei-me ao lado dela no meio fio. O que eu poderia dizer? Já era super estranho o fato de ter encontrado uma garota no meio da noite sozinha e bancar o guarda costas dela e agora ainda por cima iria dar uma de psicólogo? Isso não podia ficar pior, pensei. Mas ainda assim fiz a pergunta:

- O que aconteceu?
- Quem se importa? -perguntou grossa-
- Hey calminha aí, só estou tentando ser gentil.
- Ta tentando ser gentil agora por que? Sendo que esse tempo todo me tratou com indiferença como se eu fosse a pior pessoa do mundo?!
- Não é nada com você... -tentei me explicar- Muito bem, vamos recomeçar então.
- Recomeçar? -perguntou incrédula-
- Isso aí. Sou Zayn. -entendi a mão- Você?

          Ela me olhou desconfiada mas cedeu estendendo a mão.

- (Seu Nome). -sorriu-

Continua. Já passou de meia noite mais ainda vale neh? kk Nosso bebe ta crescendo :-( Crazier só semana que vem gente desculpa; amo vocês -Deh♥

6 comentários:

  1. ai meu deus que DIVO!!!! pf pf pf posta logo quero saber oq vai acontecer : )
    ta perfeito como tudo q vc escreve :D
    chorando rios ela ta muito grande ta crescendo rapido demais :x

    ResponderExcluir
  2. Ai que fofis *u* minha nova fic favorita daqui! )õ)

    ResponderExcluir
  3. continua por favor te peço de joelhos
    ass:Ingrid

    ResponderExcluir