Longfic - / Brand New Bitch (Parte 1)

| | |
Aviso: Leia a nota no final do capítulo. Obrigada, boa leitura.
PILOTO

Sue P.O.V's <clique

Eu sabia que tinha quer ser rápida. Tinha que me apressar antes que alguém nos visse ali paradas no hall de entrada, de madrugada e no escuro, com umas seis malas a nossa volta. Ou então, que nós acabássemos ativando algum dos alarmes. Jade estava me pressionando e cutucando o meu braço para escrever logo, mas minha mão tremia sob o bilhete enquanto eu tentava pensar em alguma coisa.

Jade: Não demora, anda!- ouvimos um barulho na escadaria. - Pode ser o Glenn!- sussurrou.
Eu: Shhh, vai dar certo.
Jade: Tem certeza?
Eu: Puff, claro que tenho. -eu não tinha, mas enfim.

Tratei de terminar de escrever bem rápido, dando por fim uma rápida e última lida no que saiu diante do meu nervosismo. 

"Querido pai, nós não estamos aguentando mais essa vida, sabemos que sempre fez tudo por nós e agradecemos por isso. Mas agora vamos viver nossas próprias vidas sozinhas sem você e essa mulher imprestável que arranjou, ela não vai substituir a nossa mãe. Você sabe. Nós já somos bem grandinhas para nos cuidarmos, temos uma a outra e também dinheiro para nos manter. Não venha nos procurar por favor, não estamos no armário e nem na casa da frente, dessa vez é sério. Te amamos, 
XX
Summer e Jade

Jade puxou a Linda pela coleira enquanto eu deixava o bilhete em cima da mesa de vidro e ia abrir a porta com muito cuidado para não fazer barulho. Assim que a abrimos eu olhei para trás tentando não desistir da decisão que tomamos, nós tínhamos que fazer isso. Finalmente a gente ia viver por conta, uma pela outra e só como sempre quisemos. Eu, Summer Cowell, junto com a minha irmã estávamos a caminho do aeroporto á pé, as 2h40 da manhã, pelas ruas do Condado de Los Angeles. Aquilo não poderia soar mais ridículo do que realmente era.
Quando conseguimos sair arrastando todo aquele peso atrás de nós, não pude deixar de dar uma olhada no meu carro na garagem pela última vez, eu queria tanto poder ir com ele. Mas não podíamos deixar pistas para trás e muito menos ir no meu carro com gps ligado no do meu pai para dali a uma hora ele nos seguir. Até hoje eu achava isso ridículo, qual é, eu já tenho praticamente dezessete anos e queria agir como tal, ele não pode ficar controlando onde eu devo ou não ir. Tive sorte do Simon controlador como é não colocar algo assim no meu celular também.
         O tempo estava voando enquanto andávamos bem discretas a prova de paparazzi que podiam surgir a qualquer momento, e Jade não estava ajudando nada a conter a ansiedade que crescia dentro de mim, na verdade ela estava reclamando cada vez mais do peso das malas, e eu enquanto isso, tentava não ficar me lembrando do que me fizera concordar com essa loucura.

Flash Back On- (Um dia atrás, 09h01 da manhã // Malibu, Condado de Los Angeles, Califórnia)

- Não, é isso mesmo!-apertou a revista nas mãos para ler melhor. -Estudos indicam que mulheres com o couro cabeludo menos pigmentado e amarelo e são menos inteligentes que os outros seres humanos. -riu ao ler a noticia falsa.

Virei o rosto pra ela com a minha melhor cara de bunda e fiz até questão de abaixar os óculos escuros. Jade é exatamente da minha altura, olhos verdes vibrantes juntamente com cabelos puxados para o castanho, sorriso cínico e respostas prontas formavam a praga mais nervosa, infernal e irritante que já tive o desprazer de conhecer, ou melhor, de dividir o útero. Essas características também formavam uma garota muito legal, que apesar de tudo, era minha melhor amiga para todas as horas, a garota com quem eu dividia memórias, risadas e segredos. Ela também é muito durona, desleixada e preguiçosa.
Nossas personalidades são BEM diferentes, embora compartilhamos coisas parecidas e só os íntimos sabiam bem disso. Depois de 5 minutos e meio que eu fui puxada de dentro da minha mãe, veio ela. Ou seja, eu era a mais velha, mais bonita e...

- Burra. -Jade me encarou. -Resumindo, você é burra Sue.
Eu: Cala a boca!-ri.
Jade: Mas não se preocupe, eu descobri que homens loiros também sofrem disso. E sim, eu estou falando do Andrew. -piscou fazendo cara de anjo e me abraçou de lado num ato surpresa.
Eu: Andrew? -ri- O seu quase maravilhoso primeiro...?
Jade: Não, qual é. Até parece que eu ia transar com ele. -riu. -Estou me guardando para alguém especial.
Eu: Aham. -revirei os olhos.
Jade: Mas e o Jack, vocês já tran...
Eu: Shhh! -tapei sua boca com a mão. -Os coqueiros tem ouvidos. -olhei para trás fingindo medo e caímos na gargalhada. Tínhamos a mania de começar a rir de coisas idiotas, aí depois da risada engraçada uma da outra e depois que parávamos até podíamos começar outra vez dependendo da situação. -Mas só pra lembrar você também era loira e só depois pintou o cabelo dessa cor indefinida aí.
Jade: Só fiz isso para não ficarem dizendo que somos iguais. -fez uma careta. Verdade, nós duas odiamos isso, a comparação constante entre nós. Principalmente alguns absurdos que algumas revistas ressaltavam, eu odiava pensar quantos jornais já venderam as custas do meu pai falando podres meus e da Jade. A verdade é que só somos adolescentes querendo curtir, nós temos uma boa vida e simplesmente a aproveitamos, saímos -geralmente eu mais do que a minha irmã-, vamos a festas e baladas, encontramos as minhas amigas, compramos...coisas comuns mas a mídia insistia em nos criticar. Não éramos tão famosas assim de modo que viver fosse insuportável, mas de vez em quando alguns fotógrafos nos perseguiam, algumas pessoas nos reconheciam e tínhamos que cuidar um pouco mais da nossa privacidade do que gostaríamos.
Jade: Não temos nenhuma sessão de foto para essa semana, certo?-neguei.
Eu: Não que eu saiba.
Jade: Eu não aguento mais essas agências insistentes. Nós precisamos de férias isso sim. Eu também não quero ser famosa por ser filha de alguém, quero fazer algo por mim mesma, entende?
Eu: E como te entendo.

Sem desmerecer o nome e trabalho do meu pai, mas em algo eu e Jade concordávamos. Se era para sermos conhecidas, que fosse por algo que tivéssemos feito. Essa vida de "chupa-fama" já era para mim. Precisava pensar em algo que prestasse para fazer com a minha vida, e no fundo sabia que Jade pensava da mesma forma.
Me arrumei melhor na cadeira de praia olhando o movimento que para variar estava caótico. Sério que essa gente de Malibu só tem a praia para ir nos fins de semana? Trágico. Fiquei olhando os surfistas passarem, algumas famílias também mas eram a grande maioria jovens. Depois meus olhos foram até umas adolescentes na água que parecia estar tão boa brilhando em cada ponto com o sol forte da Califórnia, todo mundo parecia estar se divertindo ali, como sempre, aliás, Malibu era conhecida como a balada de areia dos californianos. Em meio a pensamentos, fui surpreendida por uma grande quantidade de areia vindo direto no meu rosto. Abri os olhos após soltar um grunhido de raiva para encontrar Jade rindo como uma matraca ao meu lado.
Eu: JADE! -gritei sentindo uma agonia horrível e ardente nos olhos. -Filha da puta...
Jade: Isso foi por ter me acordado cedo hoje em um fim de semana. Que vergonha para a sociedade. -ria. -Acho melhor você lavar isso, exu.
Eu: Não acabou!-ameacei.
Jade: Ah, eu espero que não. -colocou os óculos escuros e deitou na espreguiçadeira novamente. Já mais calma peguei minha garrafa d' água e joguei o líquido todo na cara dela. -SUA PU...-saí andando em direção ao mar antes de poder ouvir o resto de seus xingamentos. Se eu conheço bem a Jade, ela ia reclamar mais um tempo. Um longo tempo.



Joguei meu cabelo todo para trás na tentativa de deixa-lo menos pesado ao sair da água, era realmente difícil pra mim entrar e depois sair daquela maravilha aquecida por um dia tão quente. Lembrei de quando eu e Jade éramos pequenas e ela queria que eu entrasse no mar mas eu insistia em querer ficar na areia tomando sol, era sempre assim, então ela me chamava de porca bem alto e depois me jogava na água, eu passava a maior vergonha e ainda por cima congelava. Ri com esse pensamento enquanto me aproximava do lugar onde estavam as nossas cadeiras e toalhas em tempo de flagrar uma cena que me deixou de queixo caído.

Jade: O que pensa que está fazendo?!-resmungava alto.
Jack: Relaxa, gata. -a puxou pela cintura, fazendo-a reagir contra ele e alcançar seu milkshake. Eu estava sem fala e não conseguia sair do lugar. -Que saudade que eu tava amor. -a puxou por trás numa segunda tentativa, a encochando completamente, quando minha irmã se soltou nervosa, ele a beijou.
Jade: SEU GAMBÁ! -Jade gritou jogando todo o líquido do copo na cabeça dele.
Jack: Que foi Sue, tá maluca garota?-minha irmã gritou mais alto e eu me aproximei após conseguir me mexer. O olhar de Jack passou de completamente excitado pelo traseiro da minha irmã, para constrangido olhando para a minha cara. -Me-meu Deus, Sue?-soltou Jade imediatamente. Meus olhos pareciam que iam saltar da minha face devido ao susto.
Eu: Seu imbecil, como pôde?- qual era o problema daquele moleque, mesmo depois que Jade pediu para solta-la, ele continuou. -Eu vou te matar!
Jack: Eu achei que ela era você, eu juro! -riu sem humor, com a cara mais vermelha que a minha. O fato dele estar mentindo me deixava ainda mais puta. -Eu vim aqui te buscar para almoçar e...
Eu: Ah, sério mesmo quer que eu acredite nisso?-alterei a voz. -Nós namoramos dois anos! E você não me conhece o bastante pra sair agarrando qualquer vadia por aí que acha ser eu?
Jade: Ei!
Eu: Não se mete aqui, Jade. Agora não! -virei para ela rapidamente que revirou os olhos.
Jack: Cara, ela estava com o cabelo molhado, idêntica a você!-levantou uma mexa molhada de Jade pela água que joguei nela e a vi bater em sua mão imediatamente.
Jade: Solta, rolha de cu!
Jack: Vamos conversar amor...
Eu: Não, chega. -balancei a cabeça negando aquela situação e me sentindo angustiada, pronta para chorar a medida que meus olhos doíam de raiva, então comecei a me afastar com cuidado deixando aqueles dois para trás. Era isso. Eu precisava sair dali onde a multidão da praia estava de plateia para o maior vexame da minha vida. Puta merda cara, eu queria socar os dois. Eu odiava Jack, tinha certeza mais que absoluta de que ele me conhecia muito bem e nunca me confundiria com a Jade, que tinha feito de propósito para se aproveitar dela. Corri pela praia até a parte menos movimentada, o máximo que meus pés aguentavam abaixo daquele sol exagerado. Quando cheguei na varanda de casa, joguei meus sapatos ali mesmo junto com as toalhas e corri para dentro. Simplesmente não queria ver ninguém.


XXX: Jantar!- anunciava Glenn. Ele parou na minha porta aberta e bateu mesmo assim. - Senhorita, a comida está pronta.
Eu: Não estou muito afim de comer.
Glenn: Por que a carinha triste?-pediu. Ele era um grande amigo da família, sempre dava bons conselhos.
Eu: Nada não.
Glenn: Sabe que seu pai não vai gostar nada de saber que você não comeu. Se estiver passando mal, ou com uma dor de barriga, eu posso... -me levantei.
Eu: Não estou com dor de barriga merda nenhuma, já vou. -abri um sorriso ao perceber que tinha sido um pouco grossa sem querer. -Desculpe.
Glenn: Sem problema, criança. Se incomoda de chamar a sua irmã? Ela não quer levantar de jeito nenhum.
Eu: Por que eu?- bufei. Ele me olhou feio. -Mas... -nunca discuta com o mordomo, nunca. Af. - Tá!

Ele desceu pedindo para não demorar e eu fui até o quarto da maluca. O quarto dela ficava bem distante do meu, no final do corredor para ser mais exata. Me aproximei com cuidado e parei na porta olhando o pequeno tapete de caveiras e na porta vários avisos de "Perigo, alta voltagem", "Fique Longe", "Não perturbe o meu descanso", entre outros que a cobriam toda. Revirei os olhos e girei a maçaneta e quando entrei senti uma onda horrível de mal cheiro de várias coisas juntas misturadas, e sem falar no som pesado cheio de palavrões ligado em ultimo volume. Olhei em volta e no meio daquela bagunça achei a cama dela e Jade deitada de bruços. Andei até lá e a cutuquei, chamei, gritei mas nada resolveu, desliguei a musica que estava me deixando surda e então assim, ela sentou na cama rapidamente.

Jade: Poxa, faz isso não, eu estava ouvindo!-disse com voz de sono e um olho fechado.
Eu: Isso é ensurdecedor. É horrível!
Jade: Sem cultura!
Eu: Sem cultura!- imitei fazendo voz fina. - Como é que você pode dormir ouvindo isso?
Jade: É tipo, misturar duas coisas maravilhosas, sono e rock. É como misturar pandas e sorvete...dá um panvete!- bati em sua cara.
Eu: ACORDA!
Jade: NÃO ESTOU DORMINDO!
Eu: O Glenn está chamando para jantar. - estalei os dedos em sua cara e ela fez o mesmo na minha. -Levanta essa bunda mole da cama e anda logo.
Jade: Agora você vai implicar comigo por quanto tempo? A culpa não é minha se o seu namorado é cego ou tarado. Ou os dois!
Eu: Não quero falar sobre isso Jade, levanta dessa cama logo. -murmurei tristemente.
Jade: A gente tem que falar! Não vou aguentar você triste desse jeito, já não chega a Gillian estar estragando nossa vida...-suspirou. -Me desculpa Sue.
Eu: DESCULPA? O JACK ENCOCHOU VOCÊ NA FRENTE DE MALIBU INTEIRA, TE CHAMOU DE AMOR E AINDA TE BEIJOU, EU QUERO MUITO TE BATER AGORA!-gritei surpreendentemente histérica.
Jade: Você está...me assustando.
Eu: Jade. -tentei me acalmar respirando fundo. -Você não faz ideia do quanto eu estou chateada. Eu gostava tanto do Jack...
Jade: Eu tentei bater nele, gritar, me afastar. -era verdade, eu tinha visto. E ela não mentiria isso jamais. -Eu não fazia ideia que o seu namoradinho rolha de cu iria aparecer e fazer um showzinho desses.
Eu: Eu só achei que...ele fosse diferente dos outros.
Jade: Ei. -passou o braço pelo meu pescoço me abraçando. -Vai ficar tudo bem. Aquele cara era um idiota, você vai arrumar um muito melhor. E até lá você não precisa de ninguém, muito menos de homem não se preocupe. -assenti e ficamos alguns segundos em silencio. -Eu tenho que te contar uma coisa Sue...
Eu: Agora não dá, nós temos que descer. -ela bufou. -Então coisinha, está pronta para encarar a megera?
Jade: Pronta não estou né...Mas vamos.

Descemos juntas até o andar de baixo onde uma musica calma preenchia o local. Cara, realmente precisava disso? Só íamos jantar. Um detalhe sobre a nossa casa é que ela é enorme e muitas vezes, mesmo depois de 16 anos morando aqui, eu ainda consigo me perder nela. Seguimos para a sala de jantar onde a mesa já estava posta com muita comida, nosso pai e Gillian estavam lá, de mãos dadas sobre a mesa conversando e comendo.

Jade: Desculpa estragar o jantar romântico. -puxou uma cadeira com força fazendo um barulho horrível ao arrastar no piso e sentou jogando os cabelos para trás. Fungou. Isso irritava Gillian e todos sabiam disso. Me sentei com cuidado já que não estava afim de arrumar confusão ao contrário de algumas pessoas aqui. -Mas é que existe mais gente nessa casa, sabem...
Simon: Tudo bem, estávamos esperando vocês. Mas como demoraram para descer, começamos a comer, se importam?- disse calmo.
Jade: Não, está tudo bem!- disse com ironia garfando a comida- Nós estamos acostumadas com as suas decisões sem pensar na gente, não é mesmo Summer?
Eu: Não me envolva nisso. -minhas bochechas ainda ardiam por conta do choro, ou do sol. Provavelmente por causa de ambos.
Simon: Comporte-se mocinha. - Gillian encarava feio a Jade.
Eu: Esse bife está ótimo Lucy!- olhei para a empregada que passava por trás de nós rápido ao servir o vinho do meu pai.
Lucy: Obrigada senhorita. -se retirou.
Eu: Pai, quando nós vamos poder ir naquele show do Arctic Monkeys? Lembra que prometeu que ia nos levar para conhece-los?
Jade: Verdade, mas ela não vai junto né?- apontou Gillian na maior cara dura.
Gillian: Não Jade, eu não irei junto. -disse sarcástica- Você é tão irritante!- eu tinha que concordar com a megera, a palavra que descrevia a minha irmã era "irritante", e "doida" também. -E se acha que eu vou substituir a sua mãe está muito enganada, porque não é isso que quero. Eu só amo o seu pai e quero ter uma vida com ele.
Eu: Realmente, você NUNCA vai substituir a nossa mãe. -afinal, você devia estar no canil municipal, não comendo nessa mesa.
Jade: Hum...Responda ela pai.  -disse diante da expressão sem graça dele. Era estranho, ele nunca ficava sem graça. Ele era o Simon Cowell. Ou as coisas estão ficando mais sérias com a Gillian ou ele está perdendo seu próprio jeito.
Simon: Ainda não sei filha, tem muitas coisas para ver antes, eles estão em turnê agora. Acho que estão em Sidney. Nos veremos quando eu for a Londres e vocês estarão na escola, então não vão poder ir.
Eu: Ah, nunca podemos não é mesmo?- disse com desdém cruzando os braços.
Gillian: Não discuta, para o seu quarto agora!- me levantei sentindo meu sangue ferver pela segunda vez no dia. Ela já estava dando ordens? Realmente, inaceitável.
Jade: NÃO FALE ASSIM COM ELA! VOU COMER SEU FÍGADO. -e com isso ela começou a xingar sem parar a mulher de nomes que não são necessárias que uma mera idiota como eu lhes conte.
Simon: CHEGA!-levantou bravo- PARA O QUARTO AS DUAS! E NÃO QUERO MAIS OUVIR FALAR DESSE ASSUNTO, EU VOU ME CASAR COM A GILLIAN VOCÊS QUERENDO OU NÃO.

Saí correndo irritada para o andar de cima enquanto ainda ouvia meu pai gritar com a Jade na sala. Logo ela subiu também, e como a esperei, nos encontramos no corredor mas não fomos para o quarto. Eu comecei a ouvir algo suspeito então parei no começo da escada para ouvir de uma maneira discreta que eles não me vissem assim como a Jade.

Gillian: Amor, eu não sei mais o que fazer com essas duas, elas só nos arrumam problemas...
Simon: O que quer dizer com isso?
Gillian: Quero dizer que imagine só o que essas gêmeas vão aprontar no dia do nosso casamento, elas não me aceitam de jeito nenhum e eu já tentei conversar com tantas vezes, principalmente a Jade que tem um ciume enorme com você, elas nunca irão me aceitar nessa casa e muito menos estando no lugar da mãe delas. -suspirou- Eu andei vendo na internet algumas escolas internas na Suíça e...acho que está na hora de começarmos a pensar nessa possibilidade.
Simon: Quer dizer, manda-las para lá? Mas...
Gillian: Vai ser melhor, vai por mim! Você não me ama?
Jade: Que víbora!-sussurrou ao meu lado e me puxou pelo corredor fazendo-me entrar em seu quarto mal cheiroso de novo, e trancou a porta.
Eu: Que foi?
Jade: Eu tive uma ideia, Sue!-abriu seu melhor sorriso.
Eu: Ah não, então boa noite, foi bom enquanto durou e...-disse indo abrir a porta mas ela me puxou para trás fazendo-me sentar na cama.
Jade: Olha só, eu estou tentando te contar a dias mas você sempre dá uma desculpa pra não me ouvir!-tentei abrir a boca mas ela gritou me fazendo calar. -Me ouça. -suspirou- Eu comprei a algumas semanas duas passagens para Nova York, para nós irmos embora.
Eu: COMO É QUE É?-arregalei os olhos. -Você tá louca?
Jade: Dessa vez você ouviu bem né? Essa vagabunda está fazendo chantagem emocional com o nosso pai e ele está caidinho por ela. Já é hora da gente revidar de verdade. Lembra que eu falei pra você uma vez...- andava em círculos pelo quarto.
Eu: Revidar? Não, eu não vou fazer nada disso. Já aprontamos o bastante com ela esse ano.
Jade: Caramba me deixa terminar de falar!- dei de ombros e ela se aproximou- Tudo bem, já que não podemos mais revidar, vamos fugir de casa.
Eu: Você enlouqueceu? Não vamos não!
Jade: Não seja idiota, já pensamos nisso antes!
Eu: É, quando tínhamos oito anos fugimos para a casa do lado e pedimos para a mulher não contar nada, por fim ela ainda ligou para o motorista avisando que tinha encontrado a gente.
Jade: Estou falando sério dessa vez, agora nós crescemos e podemos ter nossas próprias vidas. Você sabia que esse dia chegaria. E essas passagens são a nossa resposta, sabia que compra-las seria boa ideia.
Eu: Não!
Jade: Sim!- insistiu- Por que não?
Eu: Porque não! Você nem sequer me contou, e...e...temos dezesseis anos, sabe que não íamos sobreviver um dia sozinhas lá, para onde a gente ia?
Jade: Juntei dinheiro suficiente para ficarmos hospedadas num hotel por uma semana. Arrumamos um emprego e pronto. Crescemos e vivemos felizes! Você sabe que eu já trabalhei na radio da escola e era bastante responsabilidade. Podemos fazer isso. - sorriu sem ver o quanto era ridículo o que tinha dito.
Eu: Você ouve o que fala?- ela desfez o sorriso- Quero dizer, acho que seus ouvidos estão entupidos de cera. Não vai dar certo.
Jade: Pare de pensar negativo, somos espertas. Com a minha inteligencia e a sua...-me mediu parecendo ser super difícil achar um bom adjetivo pra mim- Criatividade, podemos ter o que quisermos. Nós já temos.
Eu: Sua inteligencia? -ri- Onde?
Jade: Sua invejosa, morreria para ser eu. -me encarava e eu ria- Olha aqui, faça o que quiser então! Se quer ficar aqui nesse inferno e ir amarrada para um internato faça bom proveito das camas babadas de lá. Sai do meu quarto!- me empurrou para fora e fechou a porta na minha cara.

Que ótimo, agora ela me odeia de vez. Fui para o meu quarto e fiquei pensando nessa ideia maluca por uns bons quarenta minutos quando resolvi voltar lá. Toquei na porta dela e acabei por ouvir "Se você é a ratazana da minha irmã ou meu pai, ou a Gillian, ou qualquer empregado trate de cair fora daqui". Tentei outra vez dizendo que queria falar com ela e então abriu a porta voltando a sentar no computador ligado. Entrei e fechei a porta certificando de que ninguém estava nos ouvindo.

Eu: Tudo bem. Eu aceito fugir. - disse como se não tivesse escolha. Com aquela mulher ali talvez não tivesse mesmo.
Jade: Mesmo?- perguntou ficando agitada.
Eu: MAS!-seu sorriso desapareceu- Temos que fazer isso direito.
Jade: Como quiser.
Eu: Me deixa ver essas passagens. -caminhei até ela percebendo que eram para daqui a 15 dias. -Tá brincando? Isso aqui é para daqui a quinze dias. 
Jade: Era para ser uma viagem, não uma fuga. -riu. Ela estava achando aquilo tudo uma brincadeira?- Não se preocupa, nós podemos mudar a data direto no aeroporto, vou ligar pra lá agora. 

Assenti e a vi ligar. Passamos metade daquela noite pesquisando as ruas de Nova York e onde iriamos desembarcar, enchemos seis malas com coisas indispensáveis, peguei a Linda e por fim minha irmã quis fazer um sanduíche de queijo para comer no caminho enquanto eu entrei no quarto do nosso pai e peguei nossos passaportes quando ele não estava lá. Eu podia jurar que iria me arrepender de ter concordado com isso mas por outro lado estava ansiosa.

Flash Back Off-

Puxávamos nossas malas pela rua calmamente para a sedentária da minha irmã não reclamar mais de cansaço. Estávamos bem longe e aquele calor estressante do momento tinha passado. Eu funguei evitando olhar para o lado. Foi nessa hora que percebi que devíamos ter pegado um táxi, mesmo para nossa idade Los Angeles era bem perigosa anoite, e sabe, eu sempre penso na probabilidade de coisas ruins acontecerem. O centro da cidade estava bem movimentado naquela hora, o que não era novidade por ser época de temporada, ainda mais sendo a cidade das estrelas. Jade me puxava sem parar no meio da rua para pegar o sanduíche de queijo e reclamava do peso das malas. Sorte nossa que não tivemos que andar demais para chegar no aeroporto. Pegaríamos o voo noturno para Nova York, era tão inacreditável! Pela primeira vez na vida nós éramos livres de verdade, sem meu pai, os empregados e mordomos nos seguindo como guarda costas, era realmente muito bom.
                Mesmo a aquela hora da madrugada o aeroporto estava cheio, pessoas transitando por todo lado, outras sentadas esperando sua chamada e aquele frio na barriga ia e voltava, pelo menos pra mim.

Eu: Licença, nós ligamos mais cedo...-disse puxando Jade para nos aproximarmos do balcão. -E disseram que podíamos mudar a data do embarque. -a moça me olhou com uma tremenda cara de sono, para não dizer...
Jade: Cara de bunda. -sussurrou.
Atendente: Desculpe?-pisei no pé de Jade ouvindo seu resmungo.
Eu: Nada, a minha irmã tem uma doença rara, ela fala umas coisas sem sentido anoite. -ela foi se defender mas pisei de novo. -Viu? Ela fica assim....mas enfim. -sorri- É muito importante conseguirmos pegar o próximo voo para Nova York, e pelo telefone vocês disseram que ainda havia...
Atendente: Isso não será possível, acho que se enganaram.
Eu: Não, alguém daqui falou que poderíamos mudar a data do embarque porque esse voo ainda não estava cheio.
Atendente: Sinto muito. -deu de ombros e voltou a mexer no computador nos ignorando.
Eu: Ah...-Jade tomou a minha frente.
Jade: Deixa comigo. -tentei interferir mas sabe o que ela fez? Colocou aquela mão nojenta na minha cara e me empurrou me fazendo esbarrar em um carinha qualquer atrás de nós na fila. -Escuta aqui querida, vocês andam mentindo para os clientes vip no telefone?
Atendente: Falando comigo?-subiu os olhos pra nós.
Jade: É claro que eu estou falando com você, tem mais algum imprestável aqui pra atender nesse lixo de aeroporto?
Eu: Jade!-repreendi. Meu Deus, que vergonha. Eu só queria sair correndo dali. Um dos problemas da minha irmã é digamos, o nervosismo.
XXX: Algum problema aqui?-um cara alto e careca se aproximou da mulher do outro lado do balcão enquanto Jade já estava dando um jeito de arrumar briga com um cara atrás de nós na fila que reclamava da demora. Descobrimos que o careca era o supervisor e expliquei a ele calmamente o que precisávamos fazendo Jade calar a boca para não sair mais nada grosseiro. Mas no fundo eu até entendia que ela estava preocupada de demorar mais tempo ali e descobrirem que fugimos de casa. Eu também estava, mas tenho mais paciência com as pessoas. O cara pediu nossos documentos e viu nossas passagens, então autorizou que adiássemos o voo por sorte do próximo voo para Nova York ser dali a quarenta minutos e não estar lotado. Concordamos e fomos sentar com as demais pessoas nas cadeiras em fila afrente ao balcão. Não seria nada fácil ficar esperando mais quarenta minutos até o embarque mas valeria a pena e toda hora Jade me lembrava disso.
Na minha mente havia muitas dúvidas, a ansiedade fazia minha barriga doer por termos agido no impulso e também saber que estávamos deixando tudo que conhecíamos em Los Angeles era radical pra mim. E por  que antes eu não estivesse querendo fugir, agora a ideia parecia perfeitamente boa.
Uau. Nova York, finalmente.

CONTINUA...
Notas Lizzy: Prólogo enormeeee, eu sei. Mozões, essa é a primeira fanfic que eu publico com a Deb e a gente vai brigando e tal por causa da escrita porque somos muito diferentes mas no fim conseguimos combinar as coisas. Eu já fui beta-reader de uma fanfic dela a um tempo e hoje sou uma pré-leitora (quando dá) de Hit The Lights. NOSSA, COMO ASSIM? Privilégios de ser amiga da autora, pois é! Claro que eu também a obrigo a ler as minhas invenções de moda para julga-las.
Bom, obrigada a quem deu força desde que eu escrevia Frozen pedindo para postarmos essa long! Enfim, aí está, desculpem os erros. Ah, e levem algumas coisas no humor minhas gatas ;)

Notas Deb: Hola, amores! Estou me sentindo muito feliz em voltar a postar aqui no blog, que na qual eu amo muito. Antes de tudo quero esclarecer por que fiquei tanto tempo sem escrever o Wild World. Eu estou dando um tempo nessa fanfic por causa de uns probleminhas que eu tive com as ideias, mas não se preocupem, eu vou voltar a postá-la muito em breve. Enfim, estou muito animada por ter começado a publicar esse longfic com a hiena da minha irmãzinha querida. Depois que ela me mostrou alguns comentários pedintes e que insistiam que começássemos a postar essa história doida de duas irmãs mais ainda aqui no blog, senti um choquinho e pensei comigo mesma; "Temos que fazer isso." A Lizzy concordou e aqui estamos. Espero que gostem! (com certeza vão, vocês VÃO AMAR NÉ :D ).  


Vocês querem a continuação? 

14 comentários:

  1. Claro que eu quero a continuação, já to amando muito essa longfic, e eu adorei a Jade, ela é tipo irritada que nem eu kkkkk, posta logo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ficamos felizes, obrigada! kkkk realmente ela é irritadinha e doida. Pode deixar amr!
      xx, liz e deb

      Excluir
  2. "É como misturar pandas e sorvete...dá um panvete!- bati em sua cara.
    Eu: ACORDA!
    Jade: NÃO ESTOU DORMINDO!""

    "Solta, rolha de cu!" "Esse lixo de aeroporto" "Seu gambá" "Que cara de bunda"

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK primeiro capítulo e já ri pra crl. vocês tem que postar a continuação, por favor?? AMEI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk a Jade é uma coisa mesmo se acostume. Uma já é uma figura, imagina duas!
      Vamos postar sim mozão, pode deixar.
      xxx Liz e Deb

      Excluir
  3. Debb que bomque voce voltou *O*O*O*O*O*O*O*O*O*
    Posta WW pf amo seus fics

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aww, muito obrigada! Também fico feliz em voltar kkk
      Com certeza vou voltar a postar WW muito em breve, mas ainda não sei quando *u*
      xx, Deb

      Excluir
  4. Continua pelo amr de deus! Ta mto engracado
    É melhor fazer ou mando meus capangas darem um susto em vcs suas divas 😁

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. okay gata, já postamos a segunda parte kk. Obrigada!
      (não pela parte dos capangas e tals mas tu entendeu )
      xx Deb e Liz

      Excluir
  5. QUE BOM QUE VCS VOLTARAM EU AMO VCS JUTAS <3
    RESPIRO DIZZY (NO INSTGARAM TAMBÉM, SEMPRE)
    muito engraçadoa sjhdjshDJS CAGEI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmm, estamos postando juntas pela primeira vez e a Deb vai provavelmente voltar com o fic dela.
      Aww que linda, obrigada. kkkkk "caguei" kkkk

      Excluir
  6. Oh my god adorei, simplesmente amei *o*( e levei tudo no humor tbm) Que bom que vcs escolherem a Ashley e a Mary Kate Olsen, ótima escolha. "Jade- NÃO FALE ASSIM COM ELA EU VOU COMER SEU FÍGADO" KKKKK
    Continuem, eh uma longfic n eh? tipo de uns 4 caps só? Que pena poderia ser fanfic...
    Xx
    Maria Clara( leitora com conta desde de Gotta be you e agr sem)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhawn, obrigada anjo! Sim, adoramos elas e se encaixam perfeitamente nas personagens. KK não só o fígado, essa aí que se cuide que as gêmeas comem ela viva.
      Sim, é long mas tem aproximadamente umas 10 partes ;)
      XX, Liz e Deb

      Excluir