Truly, Madly, Deeply - Capítulo II

| | |
- Foi sabotagem


Louis P.O.V

      A escuridão, é a primeira coisa que eu me lembro. Estava escuro e eu estava com medo. Mas aí, aí eu abri meus olhos. Estava tão claro o lugar que eu não conseguia deixar os olhos bem abertos. Ouvi uma pessoa dizer que eu havia acordado, e então eu me lembrei que estava em meu quarto com uma garota no qual havia acabado de conhecer.

      Pisquei algumas vezes e percebi que estava em um hospital. A porta havia se abrido e vi Liam acompanhado de um médico. Ele disse que eu e SeuNome havíamos sofrido um acidente, mas por sorte, se nos recuperarmos rápido, sairemos do hospital em breve. O médico saiu e disse que Liam só podia ficar aqui durante alguns minutos, pois eu precisava descansar.

- Como ela está? - Perguntei.
- Eu ainda não a vi cara. Não sei como ela está. Mas pelo que o médico me disse, ela apenas quebrou um braço e um corte na cabeça. Então, ela deve estar bem.
- Quando vou poder sair daqui? Eu não sou muito fã de hospitais. - Liam riu.
- E eu sei muito bem disso Boo. Agora uma perguntinha. Que raios aquela menina tava fazendo no teu carro?
- Estávamos indo para o mesmo lugar e eu decidi dar uma carona para ela, e depois de implorar muito ela aceitou. E, eu falei pra ela que tinha uma namorada de mentira.
- Você tá louco cara? Ela pode sair por aí contando pra Deus e o mundo. Se a Modest saber disso você vai ser punido e sabe muito bem disso.
- Eu sei muito bem disso Liam. Mas algo me diz que ela é uma pessoa confiável.
- Não estou gostando dessa história, mas se você quer acreditar no quase impossível, eu não vou impedir.
- Pode fazer uma coisa pra mim?
- O que você quer Louis? E por favor, que seja algo no qual eu possa fazer.
- Eu sei que pode parecer meio esquisito, mas eu quero que você vai visitá-la. Eu tenho a leve impressão de que ela não tem ninguém que vá visitá-la.
- Como é mesmo o nome da garota?
- É SeuNome. Faz isso por mim, por favor.

SeuNome P.O.V

      Tédio. Era tudo o que sentia agora. Eu odiava hospitais, especialmente quando eu tinha que ficar internado por tempo indeterminado. Havia uma televisão no quarto, e tudo o que passava não me agradava. Desliguei a TV e joguei o controle na escrivaninha que havia do meu lado. Bufei e reclamei sobre o hospital pela milésima vez.

      Estava preocupada com Louis um pouco, afinal, ele ficou mais ferido do que eu, pelo que eu me lembre. Vi a porta ser aberta e o doutor entrar acompanhado de alguém no qual eu não consegui identificar, Ele disse a tal pessoa que só tinha menos de trinta minutos para falar comigo. A pessoa assentiu e entrou. Era Liam Payne.

- Qualquer pessoa menos Liam Payne. - Reclamei.
- Você tem por acaso alguma coisa contra minha pessoa? - Neguei. - Eu não estaria aqui se fosse O Louis, ele que me pediu.
- Não preciso de ninguém vindo me visitar a pedido dos outros. - Liam sentou-se e ficou me encarando durante alguns segundos. - Tem algo de errado comigo?
- Não. É que você me lembra um amigo meu. Não começamos muito bem, então eu acho melhor recomeçarmos.
- Eu também acho que deveríamos começar de outra forma,  - Liam sorriu
- Como você já deve estar cansada de saber, eu sou Liam. Louis me falou que você até agora é a única garota que ele conheceu que disse que não era fã da banda. E pode parecer estranho eu dizer isso, mas, eu acho bom.
- Ele me falou que vai fazer quatro anos que é difícil encontrar alguém no qual não conheça vocês. - Ele assentiu. - Dá para imaginar como é difícil vocês andarem pelas ruas de Londres sem serem atacados por fãs.
- É difícil, admito. Mas eu amo nossas fãs.
- Se eu estiver certa o nome é Directioners, não é? - Ele assentiu.
- Louis me disse que acha que não tem ninguém para visitá-la, e me mandou vir para você não ficar sozinha.
- E não tem. Certamente minha família está na Irlanda.
- Você é Irlandesa?
- Até onde eu sei, sim - Respondi. - Mas isso não é importante.
- Se você é irlandesa, porque não tem sotaque? - Liam perguntou desconfiado.
- Eu nasci na Irlanda, mas passei a minha vida inteira em Londres, presa com pessoas que me odiavam. E agora que estou na maior idade, tenho a chance de realizar os meus sonhos.
- Espera, a sua família te odiava? E quais são os seus sonhos.
- Olha, eu não chamo aquilo de família. E o meu sonho é conhecer o mundo ao meu redor.
- Se você quiser, eu te levo na nossa próxima turnê. É mundial e podemos mostrar a você os lugares. Isto é, se você quiser.
- O quê? Nada disso. Eu tenho condições de conseguir um emprego e pagar as minhas viagens pelo mundo.
- Não se estiver nessa cama. - Ele apontou para a cama do hospital. - Ah, obrigado por ter salvo a vida do cachorro e ter quase matado vocês dois. Encontraram o cachorro e agora ele tem um lar.
- Tá preocupado com o cachorro e não com a quase morte do seu amigo?
- Falando a verdade. Cachorros tem direito de viver que nem seres humanos, pessoas que os maltratam para mim não são humanos, mas sim, animais. - Nesse mesmo instante, o doutor apareceu no quarto e sorriu para nós dois.
- Sem querer ser chato mas o horário de visitas acabou senhor Payne. Acho melhor o senhor se retirar. - Liam assentiu.
- Gostei de você, vou voltar sempre que der. - Assenti.
- Caso não venha eu irei cobrar. - Liam riu. - É sério, eu irei cobrar.
- Até mais SeuNome! Lhe desejo melhoras! - Sorri e o vi sair do quarto. E assim começou a minha primeira semana naquele hospital dos infernos.
***
      Duas semanas se passaram desde o dia em que Liam me visitou. Desde aquele dia em diante, nos tornamos mais próximos e sempre que ele vai visitar Louis aproveita e me visita também. Estávamos nos recuperando super bem, e só o que dificultava era a minha perna quebrada e o dedo quebrado de Louis. É, o cara ficou melhor do que eu.

      Eu já estava de saco cheio daquele hospital, eu estava em tempo de me tacar da janela, morrendo ou não eu só queria sair dali. E pelo visto os meus pedidos estavam sendo aceitos. Sendo equilibradas por muletas, eu me via saindo do hospital com um sorriso no rosto e coberta de carinho. Carinho de dois novos amigos que me ajudaram nessas semanas.

      Eu podia não ter uma mãe ou um pai e talvez pessoas que me amasse. Mas desde que sai do orfanato fui muito bem aceita por duas pessoas que estão fazendo a diferença na minha vida. Eu não tinha muitos amigos, mas isso não importava, pois o que importava naquele momento era que Louis e Liam estavam sendo verdadeiros comigo, mesmo eu não tendo os contado nem a metade da minha história.

- Como se sente saindo do hospital? - Louis perguntou.
- Satisfeita, feliz, emocionada, com vontade de pular, etc, etc e etc. - Riu. - Ah, qual é? Vocês dois sabem que eu odeio hospitais, mais do que qualquer coisa. Eu passei essas duas semanas inteiras reclamando no ouvido de vocês dois e reclamando da terapia.
- Entra logo nessa porcaria de carro que eu quero apresentar a você os outros garotos.
- Nada disso senhor Liam. Na minha vida de famosos só tem vocês dois e eu espero que seja assim, não quero ficar recebendo xingamento de fãs por causa de amizades.
- Você tem medo delas? - Louis riu. - São meninas inofensivas, não fariam mal nenhum.
- Sim, eu tenho medo delas. E se você está achando ruim, pague uma terapeuta para mim então.
- Não, eu não quero te ver indo na terapeuta por causa de fãs. - Louis respondeu.

      Liam nos levou para casa, e disse que se eu precisasse de alguma coisa era só pedir a ele. Assenti e entrei em casa, estava tudo como eu havia deixado. Tinha algumas poeirinhas aqui e ali, mas nada que uma boa faxina nos dias de sexta-feira não resolvessem. Louis me chamou para poder comer pizza na casa dele, eu recusei, mas ele insistiu que eu fosse. Eu cedi ao seus pedidos, mas disse que ficaria pouco, não queria incomodá-lo. Tomei banho e coloquei um moletom e uma calça, a casa de Louis era de frente para a minha mesmo. Coloquei um all star e fui para a casa dele.

- Já vai! - Ele disse assim que toquei a campainha.
- Oi. - Ele sorriu. - Nossa, sua casa é muito simples para uma estrela do pop. - Louis riu e deu passagem para mim entrar. Ele estava falando com alguém no telefone, e eu acho que deveria ser um dos meninos da banda.
- Não precisa ficar me ligando a cada cinco minutos. Eu sei, gazela saltitante, eu deveria ter checado o carro antes que de ter entrado. Ah, agora vai me culpar? Pra ser sincero, a culpa é minha mesmo, eu deveria ter escutado a SeuNome. - Me sentei no sofá e fiquei apenas ouvindo a conversa. - Okay, vou prestar atenção. Tchau!
- Problemas?
- Não, era só o Niall me pedindo para prestar mais atenção. Como somos famosos qualquer coisa pode acontecer conosco, estando acompanhados ou não.
- Bem, você já pediu a pizza?
- Não, estava esperando você para podermos escolher. Do que você quer?
- Carne do sol. - Ele sorri.
- Okay, metade carne do sol metade quatro queijos. - Louis digitou o número da pizzaria em seu celular e pediu a pizza. Para a minha surpresa, Liam também veio. Ele sorriu para mim e sentou ao meu lado no sofá. Quando a pizza chegou, fomos para a cozinha e começamos a comer enquanto conversávamos animadamente.
- Me impressiona o fato de não ter morrido naquele acidente. Veio vidro de tudo quanto é lugar em direção ao meu rosto, não é possível eu não ter ficado cortada.
- Será porque você colocou a bolsa na frente? - Louis disse.
- Eu coloquei? - Ele assentiu.
- A polícia encontrou a bolsa um pouco mais a frente do acidente, você tinha deixado ela cair quando desmaiou e um ladrão tentou pegá-la, mas foi atropelado pela própria ambulância.
- Nossa, mundo mais louco! - Ouvimos a campainha tocar e Louis foi atender, certamente era um dos garotos da banda ou a sua falsa namorada. Eu e Liam o seguimos e quando ele abriu era um policial.
- Louis Tomlinson? - Ele assentiu. - Nós andamos investigando o seu carro e descobrimos que não foi um acidente.
- Onde está querendo chegar? - Louis perguntou.
- O seu carro foi sabotado.
***
      Fazia cerca de meia hora que o policial havia dito que o carro de Louis foi sabotado. Ele andava de um lado para o outro. Ele até meia hora atrás só sabia que o carro estava sem freios, ele nem imaginava que poderia ter sido sabotado. Liam o sentou no sofá e me mando trazer água para o mesmo. Louis estava aflito e não se conformava com o fato de que seu carro fora sabotado. O entreguei a água e o mesmo bebeu muito rápido, ele estava suando.

- Louis não precisa ficar assim... - Eu tentei consolá-lo.
- Não preciso ficar assim? SeuNome, saber que tem alguém querendo me matar é um peso enorme que eu estou carregando. - Seu rosto estava vermelho e eu percebi que ele estava com medo.
- Você sabia que isso podia acontecer, não sabia? - Ele assentiu. - Muitas pessoas vão tentar te sequestrar, te matar ou qualquer outra coisa. E elas só estão fazendo isso porque sabem que você tem dinheiro. E elas farão qualquer coisa com você por uma boa quantia.
- Mas é que... Isso nunca aconteceu. Sabe. eu pensava que isso só acontecia em filmes.
- Está na hora de você acordar para o mundo real, Louis. Qualquer coisa pode acontecer com você, e pode crer, talvez o que façam com você seja bem pior do que em filmes. - Louis suspirou e me encarou.
- Quer saber de uma coisa? Você está se metendo muito em minha vida. - Louis pegou em meus braços e me arrastou até a porta. - Será melhor para nós dois se não nos virmos mais. Vá embora! - Louis abriu a porta de seu apartamento e me empurrou para fora. Ele estava fora de si, e eu podia sentir que ele estava com medo de que algo ruim o acontecesse. Realmente seria melhor não nos falarmos por um tempo.

Continua...

Me desculpem a imensa demora. Tive que recuperar várias notas e fazer vários trabalhos. Talvez eu fique fora por mais alguns dias, tenho dois seminários para fazer, mas tentarei postar enquanto minhas aulas não começam novamente. Eu espero que estejam gostando. Um beijo!
Clique Aqui para poder acompanhar a fanfic

20 comentários:

  1. Ah, continua!!
    Conheço esse começo de algum lugar haha! Jack Frost!
    Continua, estou amando a fanfic =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siim, me baseei no começo de A Origem dos Guardiões.
      Okay, a continuação poderá ser mais rápida, se os trabalhos escolares não me prenderem tanto.
      Um beijo!

      Excluir
  2. Continua logo! Tá perfeito!
    xx Luh

    ResponderExcluir
  3. Cara continuaaaaa
    xoxo Duda

    ResponderExcluir
  4. gente, entrem pf , recomeçando: http://bestfanficsonedirection.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei do seu blog, tenho certeza de que irei amar as suas fics

      Excluir
  5. Continua, pleaseeee, pleaseee!

    ResponderExcluir
  6. continua pf ta mt perfeito!! Qnd vc vai postar? Ohhh meu deus vc escreve mt bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou continuar sim, e não sei ao certo, talvez nesse final de semana ou na próxima semana.

      Excluir
  7. continua pf ta mt perfeito!! Qnd vc vai postar? Ohhh meu deus vc escreve mt bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como disse mais acima, continuarei nesse final de semana

      Excluir
  8. Stefane eu não morri!!! :v tá suoer esse capitulo,minha irmã tá aqui do meu lado enchendo o saco para perguntar.....ok vou escrever igual ela diz : "Ai Naty,para de ser chata e.pergunta logo se o Niall vai dar uns pegas nela,já q eles dois são irlandeses e blá blá blá" e eu só li agora foi mal é que eu estou lendo uma fic com o Austin(mahomie akie o/) e minha conta do google deu uns paranauês lá e agora não quer entrar,a propósito eu sou a menina do primeiro capitulo que escreveu: "wow será que eu morri?",mas enfim continua logo please
    XxxNaty-cat

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viva, você não morreu!!! E o Niall vai dar uns pegas nela muito em breve rsrsrs.
      Um beijo Naty-cat

      Excluir
  9. continuaaaaaaaa eu amei aaa porfavo

    ResponderExcluir