Say Goodbye Chapter Four

| | |
"Thoughts Away"
 
Coloque a música Demons- Imagine Dragons  
Narrador On
 
 
 Era noite quando ela abriu os olhos com dificuldade. Olhou em volta, "Eu estou em um hospital", pensou. Ao lado da cama tinha um sofá onde Josh estava dormindo sentado. Aos poucos ela foi se recordando como chegou lá.
 
Já em Sword & Cross, todos estavam sentados em uma sala de reunião, Niall estava com a mão enfaixada quebrou um copo de cristal com a raiva que sentiu quando viu SeuNome aos braços de Josh. Sentados em volta daquela mesa retangular branca, estavam todos morrendo de tédio. Até que Steven e Amber entraram e começaram a conversar entre si. Amber estava com o cabelo preso em um rabo de cabelo perfeito, alguns fios ruivos desciam pelo seu rosto realçando a cor dos olhos preocupados. Se sentaram e encaram a mesa.
 
- Como foi que vocês deixaram?- Disse ainda olhando para a mesa, todos olharam atônitos.- Como foi que vocês deixaram?
- Steven...- Iniciou Carollynne.
- Srta. Duncan, não vi sua mão erguida.- Falou sarcástico.- VOCÊS NÃO RESPODERAM A MINHA PERGUNTA. COMO FOI QUE VOCÊS DEIXARAM?- Berrou.
- STEVEN CHEGA, SENTA AI E TE A CALMA.- Gritou Amber, que na hora Steven obedeceu.- A culpa não foi deles. Muito bem.- Suspirou.- Carollynne pode contar.
- Bem, eu não sei direito, mas ela mergulhou e depois... foi tudo tão rápido.
- Okay, um aviso somente um: Afastem ele dela.
- Mas Amber...
- Sam, afastem ele dela. Podem ir.- Disse num tom cansado.
 
No hospital, SeuNome já tinha ganhado alta. Josh a levou para comer comida de verdade em um restaurante. Conversaram até ficar tarde, quando finalmente pegaram um táxi para voltar ao colégio. Josh a acompanhou até a porta do quarto, ela o abraçou e agradeceu por tudo. Entrou e se deparou que nenhuma das meninas estavam no quarto. Tomou um banho rápido, e se lembrou daquele jantar. Como ele ficava lindo quando ajeitava ou cabelo o quando sorria. Daria tudo a para ter um sorriso como o dele. Se vestiu e foi para cama, ficou lendo um livro que ele tinha comprado para ela. Logo se perdeu em seus devaneios, começou a imaginar algo que nunca aconteceria, e sorria cada vez que ele a beijava mentalmente. Bonnie entrou acompanhada de Carollynne no quarto, ela se sentaram na cama e logo adormeceram. SeuNome ficou acordada até um certo ponto, quando já estava entediada e a leitura não estava rendendo, saiu do quarto e se deparou com um corredor escuro, apenas uma luz no final do corredor estava acesa. Passou pelo mural de avisos iluminou com o celular e viu alguns:
 
"Assassinato de um casal produtor rural assusta o vilarejo de Pagford."
Por: Diane Ford
No dia 24 desse mesmo mês, 13 pessoas foram atacadas, o vilarejo de Pagford admitiu que isso é obra de um serial killer, ou algo parecido não reconhecido. O Governador Distrital relaciona os ataques com os de 1864 quando um serial killer matou 109 pessoas em um mês. Em uma entrevista pra um jornal local o Governador afirma que o vilarejo de Pagford não abriga nenhm ser que pode ser considerado perigoso, a policia local tem a opinião que um seria killer no consegue arrancar pele dos atacados ou cravar lâminas fortemente afiadas em suas vitimas, a policia distrital e local pede para que os vilarejos e cidades próximas tome o máximo de cuidado possível, principalmente a noite.
 
 
Algo fez SeuNome se afastar do mural e correu para o quarto e acordou Bonnie que levantou em um pulo.

- Bonnie!
- Já estou de pé!- Disse sonolenta.
- Onde fica Pagford?
- Sei lá uns 200 km daqui.
- Podemos ir lá amanhã?
- Você viu a reportagem não é?- Assentiu. - Não tenho permissão para tirar ninguém do colégio. Sinto muito. Mas se você quer saber mais pesquise no site do vilarejo.
- Obrigada.- Entrou no site e procurou alguma coisa sobre o assassinato e encontrou com rapidez.

"Novidades sobre o assassinato do casal produtor rural"

Identificados os corpos do casal e de outras 3 pessoas

O casal assassinado nesse mês, teve os corpos identificado pelos legistas do FBI, a mulher Rosylli White Marth e seu marido James Marth, foram encontrados perto de sua plantação com os corpos destroçados. Novamente o Governador Distrital afirma que isso é obra de um serial killer e que o governo da pequena Pagford será calmo e tranquilo como antigamente. O filho do casal Henry Marth, foi levado para casa dos avós, em Londres, onde vai completar o ensino médio. Assustado com os ataques o meninos de apenas 17 anos ficou surpreso pelo seus pais serem atacados em plena tarde. O garoto não gravou entrevista, mas afirmou que viu uma parte do assassino, ele será levado a polícia para depor.
Também nessa manhã o grupo de legistas do FBI identificou e etiquetou outras três pessoas entre elas uma garota de quatro anos...

Quando abaixou a tela o computador, SeuNome pareceu imóvel, tudo tinha se apagado da sua mente, apenas fixou o olhar no chão. Naquele momento pensou em sua mãe, como ela tinha um sorriso bonito, ou quando estava braba os olhos azuis perdiam o brilho de tranquilidade. Quando ela lia os livros sua voz tinha um tom aveludado que nenhuma outra pessoa tinha. Quando foram ao parque, e a pequena SeuNome corria atrás dos pombos que comiam os resto de pão ou qualquer coisas deixada pelos turistas, naquele dia sua mãe não se sentia bem, mas ela mentiu disse que estava tudo bem para que a filha voltasse a correr. Naquele mesmo dia, teve de ligar para seu marido vir buscá-las, naquela noite mais tarde foi que Elizzabeth teve sua primeira convulsão. Depois daquela noite, as visitas no parque deixaram de existir. A noite era longa, sem histórias ou beijos de boa noite. Em uma noite qualquer, seu pai veio até o seu quarto, com o rosto inchado, e a abraçou. O choro dele era alto, ele dizia "Sinto muito meu amor, eu não pude fazer nada". Foi a última vez que viu seu pai chorar. Depois daquela noite, a pequena SeuNome não viu mas nenhum um pombo no parque ou ouviu histórias antes de dormir, somente muito depois ela percebeu que estava sozinha.

Não suportou as lembranças, eram tantas. Tantas coisas boas que faziam juntas, sempre achavam alguma saída para algum problema. Quando sua mãe fazia bolos, ela deixava SeuNome comer da tigela aquele restinho de massa de chocolate. Com o temo ela sentiu que a dor foi embora, ou ela aprendeu a conviver.
Esqueceu a ida a Pagford, só queria ficar sozinha, lembrar de tudo que tinham em comum. Mas não podia. Estava rodeada de pessoas estranhas que nunca entenderiam o que ela sente. Limpou as lágrimas dos olhos com o dorso da mão, mas parecia que ela lutava com aqueles pingos d'agua. Algo entrou em sua cabeça, novamente a imagem de todos morrendo.

-AAH CHEGA!-Gritou. Bonnie e Carollynne levantaram num pulo, e encontraram sua colega de quarto chorando, arrancava fio de cabelos e continuava a gritar. Carollynne a abraçou. Bonnie correu para encontrar Amber, que estava correndo pelo corredores. Amber entrou no quarto das meninas e segurou SeuNome em seus braços, como sua mãe fazia.- Eu sinto a falta dela.- Disse entre as lágrimas.
- Eu sei que sente- Disse de olhos fechados.

Somente muitos depois, as meninas perceberam que Amber, sentia o mesmo que SeuNome.




Bem, este capitulo eu chorei, principalmente no final. Tá isso não importa, eu espero que vocês gostem desse capítulo, porque eu realmente não sei o motivo. Mas se vocês soltarem pelo menos uma lagrima eu vou saber se eu preciso continuar. Mas enfim, será que eu sempre tenho que falar "Mas, enfim..?". Eu queria saber se vocês gostariam de um imagine, se querem comentem com qual boy e qual o tema que vocês querem.
Bjus
 
 

3 comentários:

  1. Muito perfeito ainda mais com a musica eu amo imagine dragons continua por favor

    ResponderExcluir
  2. Perfeitoo! Continua logo por favor! Eu chorei nesse capitulo! Faz um imagine com o Zayn..
    xx Luh

    ResponderExcluir
  3. mano vc e muito diva eu chorei continua a sintonias das palavras q vc escreve e perfeita

    ResponderExcluir