Longfic Louis Tomlinson - Lótus

| | |

Capitulo 1

"Aqui estão os loucos. Os desajustados. Os rebeldes. Os criadores de caso. Os pinos redondos nos buracos quadrados. Aqueles que vêem as coisas de forma diferente. Eles não curtem regras. E não respeitam o status quo. Você pode citá-los, discordar deles, glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única coisa que você não pode fazer é ignorá-los. Porque eles mudam as coisas. Empurram a raça humana para a frente. E, enquanto alguns os vêem como loucos, nós os vemos como geniais. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam." 

                                                                                                     Jack Kerouac

15 de abril de 2000 - 22:00 p.m

     A pequenina de cabelos negros e olhos azuis assentada sobre sua cama, especula curiosamente sua mamãe em busca de respostas:

- Mamãe por que o papai ainda não voltou? -perguntou a pequena-
- Ele está no trabalho querida.
- Por quê ainda mamãe?
- Oh meu bem, ele é muito ocupado, é preciso dar duro pra ser um bombeiro tão bom quanto ele.
- O que ele faz?
- Ele salva a vida das pessoas.
- Uau, como os super-heróis?
- Exatamente como um super-herói!
- Mamãe quando eu crescer quero me casar com alguém igual o papai. Um bombeiro!
- Isso é ótimo querida, você vai se casar com um bombeiro então!
- E ele vai me amar assim como o papai me ama?
- Mais é claro meu amor, ele vai te amar assim como seu pai me ama.
- E eu também vou amar ele?
- Com certeza!
- Mamãe mas e se ele não me amar?
- Então ele não te merece, mais ouça, pode não ser como você quer. Às vezes quem te ama é exatamente o oposto do que você quer.
- Como assim?
- Ele não precisa ser perfeito, ele só precisa te completar.
- Me completar? -questionou a pequena-
- Sim, quando você for maior entenderá. Você encontrará seu super-herói!
- Mas como vou saber que é ele?
- Quando você perceber que sem ele não há motivo para viver.
- Mas e se eu não souber?
- Seu coração te levará até ele. Boa noite querida.
- Boa noite mamãe.

     As luzes se apagaram e a pequenina adormeceu em um sono profundo. 14 anos se passaram e (Seu Nome) vê todos os seus sonhos prestes a se realizar. Mas será que realmente somos nós quem traçamos nosso destino?

12 de janeiro de 2014

        (Seu Nome), adormecida por um sono de exatas oito horas, acorda com uma pequena coceirinha na ponta do nariz, é Math, ou melhor dizendo, seu quase noivo.

- Bom dia meu amor.

                      

- Bom dia Math.
- Minha princesa dormiu bem?
- Muito bem.
- Que bom. Olha... A gente precisa conversar!

      Ah não! Isso não é nada bom! Pensa (Seu Nome), ela tem esse tipo de visão, que se um cara está com você e exatamente no dia de seu noivado decide ter uma "conversinha", com certeza não é coisa boa!

- Sobre o quê? -pergunta ela fingindo conforto-

                       

- Eu vou ter que viajar de forma que não poderei te ajudar com os preparativos do casamento.
- Ah. -suspirou a garota- Tudo bem eu cuido disso. -sorri docemente-
- Tem certeza que não está chateada?

    Ela definitivamente não estava chateada, mas com certeza estaria se ele tivesse lhe dado um pé na bunda bem no dia do noivado que por sinal custou uma nota. Na verdade ela não estaria chateada, ela estaria furiosa, a ponta de soltar fogo pelas narinas.

- De maneira nenhuma, as pessoas precisam de você então é melhor que esteja preparado.
- Que bom que você me entende querida.

   Essa é mais uma daquelas viagens que Math faz com toda a equipe de bombeiros, ele é um dos capitães então precisa acompanhá-los em todas as excursões para aperfeiçoamento no ramo de salvar a vida das pessoas. A garota levanta-se da cama e corre para o banheiro, precisa se aprontar logo ou se atrasará para o trabalho, não é tão fácil vida de empresária.

- O jantar do nosso noivado ainda está de pé hoje a noite é? -pergunta a jovem adentrando a cozinha-
- Mais é claro, alugar aquele buffet custou uma fortuna!
- Ah.

      O buffet. (Seu Nome) pensou. Às vezes ela se chateia quando Math fala fala de maneira que faz parecer que tudo na vida é só dinheiro.

- Nos vemos de noite então? -pergunta (Seu Nome)
- Ah claro. -selou a garota-
- Tchau.
- Tchau, e não se atrase! -gritou (Seu nome) mais ele já havia ido-
                                     ...  

     Enquanto isso, o jovem estudante de medicina luta por mais recursos no único e pequeno orfanato da Cidade. Louis sempre está disposto a fazer qualquer coisa por aquelas crianças carentes.

- Tio Louis? -chamou a pequenina Jenny-
- Sim meu amor? -respondeu o rapaz-

                   

- Tem certeza que um dia vou sair daqui?
- Mais é claro que vai, qualquer um se encantaria com você.
- Eles não vão se importar quando souberem do meu problema?
- Que problema querida?

    A pequenina falava de maneira pausada pois não conseguia dizer palavras muito rapidamente por conta de seu "problema", após a pergunta de Louis, a pequena ficou apenas fitando a mesinha centro como se estivesse vendo alguma coisa lá. Isso se trata de autismo, sim, Jenny tem autismo leve o que na verdade é uma síndrome e o pior, sem cura.

- Tio Louis porque não tenho amigos?
- E-Eu...

                         

     Louis procurava as palavras certas para que não ferisse coração da pequenina garotinha de 8 anos, mas como não as encontrou decidiu cortar o assunto e falar sobre algo de que a Jenny adora muito..

- Que tal uns chocolates?
- Trouxe chocolates? -perguntou vagamente-
- Seus preferidos!
- Obrigada Tio Louis. -sorriu docemente-

     Louis pensava em quanto deseja se formar logo e assim tirar a pequenina dali, Jenny é sua criança carente preferida e ele não vê a hora de poder adotá-la, mas antes disso precisa estar bem financeiramente. O rapaz se vira e vê a quantidade de crianças necessitadas, sozinhas no mundo precisando de um lar e pensa o quanto queria poder ajudar todas elas. O orfanato precisa de camas novas, já que algumas meninas precisam dividir uma pequena cama de solteiro. Precisam de cobertores grossos pois o frio de Londres é cortante e o inverno está prestes a chegar. Louis pensa na dor que sentiu ano passado quando duas meninas morreram durante a noite pois não tinham com o que se cobrir. Ele não quer que isso aconteça de novo.

     O jovem pensa que enquanto alguns estão fartos de tantas coisas, essas crianças morrem com a fome e o frio. Mas Louis não vai deixar que isso aconteça novamente. Vai lutar e fazer o que for preciso para tirar elas dessa decadência, já tentou falar com o prefeito em seu escritório essa manhã, mais o mesmo se recusou a recebê-lo. Então Louis soube que ele estará essa noite no ArtGourmet que é tipo o maior buffet de Londres. Louis estaria lá, não que fosse um convidado, mas que fosse um jovem disposto a mudar o mundo onde vive.


Capitulo 1 todo mundo sabe que é chato neh, enfim 
continuo com mais de 8 comentários gatas ♥-Deh

13 comentários:

  1. Continua amooor,please

    ResponderExcluir
  2. Mô,continuaaa??Amei e nao sou directioner.Estou disposta a acompanhar a imagine

    ResponderExcluir
  3. Vou fazer um comentário pequeno pq tô pelo celular, só queria dizer que tá perfeito e nada chato.

    ResponderExcluir
  4. Zaynte o Louis eh um fofo, continua guria
    xoxo Duda

    ResponderExcluir
  5. Continua Tá Perfect. *--------*
    Semideusa Cáah. *-*

    ResponderExcluir
  6. Que fofo o Louis *_*
    Continua,mal começou e eu já amei!!!!

    ResponderExcluir
  7. Eu quase sempre tenho preguiça de comentar mas essa fic é perfeita!!!!!
    Por favor continua essa perfeição!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Gente quanta perfeição para um capítulo só!!!!!
    Continua essa maravilha!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Super fofo!
    Continua
    Marry

    ResponderExcluir
  10. Continua aaaaaa já passo de 8 comentários pfpfpfppfp amei essa long fic

    ResponderExcluir
  11. Aaaaaaaa vc é semideusa!!!!! Eu tbm !!!!!!!! Já to adorando

    ResponderExcluir
  12. Pfff divulga meu blog ele é novo tá ?
    http://imagine-directioners-fans.blogspot.com.br/
    Imaginyes Direction
    Xoxo amei a long continuaaaa ta demais

    ResponderExcluir