Say Goodbye - Prólogo

| | |

Doncaster, England 1864 

Sentada sobre a fria janela, ela observava seus passos calmos, deixando apenas os últimos vestígios de pegadas. O frio que fazia da região de Londres era extremamente crucial. Ele saiu pelo grande portão de aço que se abria aos poucos, a carruagem da coroa o aguardava em frente ao caminho de pedras que levava ao pequeno povoado de Doncaster. Ela não se conformava com ele a deixando na véspera de seu casamento.
Ela começou a correr mais do que suas pernas e pés podiam aguentar. O frio congelava suas costas que estavam nuas, assim que perdeu seu robe de seda em meio à neve. Ele sentiu seus passos chegando perto, a vontade era de largar tudo e ficar com ela, mas a profecia não permitirá que faça aquilo. Ele parou, sentiu um peso em suas costas, um leve arrepio subiu por sua espinha, ele localizou-a com o canto dos olhos, sorriu de leve sem que ela percebesse. A dor era alucinante, aquilo não poderia estar acontecendo, não com eles. A carruagem estava parada, o cavaleiro começou ficar impaciente. Ela começou a chorar, as lágrimas que caiam sobre a neve permaneciam em gotas de gelo. Seus braços estavam gelados, como a neve, mas o coração permanecia quente como o fogo da lareira. Seus sonhos foram desperdiçados em uma maldição. Ele retira seu casaco e entregou a ela para que não ficasse tão gélida. Ele juntou as duas testa, respirações geladas, as lágrimas ainda caiam de seu rosto, seus dedos percorriam toda a face dela, fazendo a sorrir. O lábios se juntaram como a primeira vez, um beijo quente que fazia a neve presente ali quase derreter, um fio dourado pairou sobre seus corpos, um fio que informara que a hora estava chegando, estava na hora de dizer Adeus.

-Por favor fique.
-Você e eu sabemos que essa hora chegaria.

Ele entrou na carruagem que logo desapareceu entre as arvores sem vida e bizarras.
Somente muito depois ela compreendeu que aquilo que a amaldiçoava por tanto tempo, tinha se cumprido o que dizia a profecia. Todos esses anos juntos, foram os melhores que já viveu. Com o casaco dele ainda sobre os ombros, andou até a porta de entrada, que se abriu violentamente pela chuva de neve que começara a cair. Subiu as escadas com dificuldade para respirar. Parou e observou em volta, as luzes se tornaram apenas borrões causado pelas lágrimas que tentava segurar, sentiu um peso sair de sua costas. Tonta seguiu pela escada até alcançar o topo, ela fechou olhos e seu corpo caiu pela escada como uma pena. Os empregados e a governanta vieram as pressas ver o que havia causado o forte barulho nas escadas. Então, encontraram seu corpo sobre os primeiros degraus da escada. Ouvidos e nariz estavam sangrando,horrorizados, chamaram seu noivo, mas simplesmente não houve resposta alguma.
Um pouco afastado já daquela casa, o noivo da moça estava fitando a neve que caia sobre o vidor da carruagem. Uma dor súbita começou em sua cabeça, mas logo parou, então percebeu o que ele temia a vida inteira havia finalmente se realizado. Como ignorar aquilo? Como ignorar que sua amada foi amaldiçoada e culpa era sua?
A vontade de pedir para que o Sr. Dipper voltasse a casa era imensa, mas não podia, era isso que teria que suportar a vida toda, ver ela morrer e ser acusado de não fazer nada, mas isso não iria mais acontecer nunca mais.

Oieeeeeeeeeeeee, tá, que coisas escrota. O Say Goodbye iniciarei oficialmente na quinta.
Espero que gostem, e comentem.
Bjss gatenhas..




4 comentários:

  1. Ai gente, já gostei mesmo antes de ter começado hehe, que venha quinta !
    ~Mari

    ResponderExcluir
  2. P-E-R-F-E-I-T-O! Mal posso esperar pra essa fic começar!
    xx Luh

    ResponderExcluir
  3. Cara consiguiu me deixar mais curiosa do q eu jah estava, q bom q vc ira postar logo malikisses
    by:Duda

    ResponderExcluir
  4. Omg! ESSE IMAGINE VAI SER TUDO!!!

    ResponderExcluir