Criminal - Capítulo 32

| | |
"- Vamos lá Julie. Você consegue."
"Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível, ainda que se apresentam dezenas e fatores a demonstrarem o contrário." - Augusto Cury.
 - É sobre Julie – falou.
- O QUE É? – perguntei gritando.

                Dei uma freada e logo escutei os carros da polícia frearem e então se baterem um atrás do outro. Troquei de marcha e então acelerei. Cantei pneu e então eu estava ficando mais afastado da polícia, eles teimavam em me seguir.

- O telefone foi desabilitado – falou e eu senti meu sangue borbulhar.
- ESTA ZOANDO COM A MINHA CARA? – perguntei gritando.
- NÃO NIALL. EU NÃO ESTOU ZOANDO – falou.
- Mas conseguiu a localização? – perguntei.
- NÃO CARA – falou – MAS VOCÊ PRECISA DA MINHA AJUDA.
- Ajudar no que? – perguntei.
- A SAIR DESSA – falou.
- RÁPIDO CARA.

                Freada mais uma vez deixando o carro derrapar no asfalto e comecei a cantar pneu. Acelerei e então logo vi mais policias atrás de mim.

- RÁPIDO LIAM – falei.
- Achei você – falou – Vira a próxima esquerda – falou.
- Tem certeza?
- Vira logo – falou.

                Assim que cheguei virei deixando o carro derrapar na pista novamente e acelerei.

- Vira a direita agora – falou – mais rápido seu molenga.

                Bufei e assim que vi virei à direita deixando novamente o carro derrapar.

- E agora? – perguntei.
- Ainda estão na sua cola? – perguntou.
- Sim – falei olhando pelo retrovisor.
- Você entra duas ruas depois, logo a frente tem um beco. Você entra – falou.
- Sério? – perguntei.
- Está ficando escuro Niall, eles não vão enchergar – falou.
- Ta bom – falei e acelerei mais.
- Vira agora – falou e eu assenti.

                Virei e novamente o carro derrapou, acelerei e fui em frente.

- Vira novamente – falou.

                O beco estava escuro, entrei no mesmo e segui o mais fundo que pude.

- Desliga o carro e apaga as luzes – falou.
- O QUE? – gritei.
- AGORA NIALL – falou e eu bufei.

                Desliguei o carro e puxei o freio de mão, apaguei as luzes do carro.

- Se abaixa – falou.

                Tirei o cinto e me abaixei o máximo que pude. Liam só poderia estar ficando louco. Eu vi luzes passarem na frente e logo as sirenes do carro de polícia.

- Espera mais um pouco – ele falou.
- Tudo bem – sussurrei.
- Eu aviso quando pode sair – falou.

                Eu apenas assenti e então esperei que ele falasse. Eu vi luzes por cima de mim, mas ninguém estava perto. E então eu me perguntei como Liam saberia se eu já poderia sair, ele era Liam, então... Ele conseguia tudo o que queria.

                Depois de alguns minutos esperando eu já estava achando que Liam estava querendo me zoar ou coisa do tipo. Eu tinha que encontrar logo com os caras e foi nessa hora que o celular começou a tocar.

- Alô? - falei baixo.
- NIALL CADE VOCÊ CARA? - Harry gritou.
- Fala baixo caralho - falei já alterado.
- O que ta acontecendo? - perguntou.
- Eu fiz umas paradas aqui por Miami, e a polícias estava n minha cola. Liam disse para mim esperar e logo ele avisaria - falei.
- A gente esta aqui te esperando - falou - estamos com fome cara.
- Vão em um restaurante encontro com vocês depois -falei.
- Falou - e então eu desliguei.

                Deixei o celular em um lugar que fosse fácil para atender e logo escutei Liam falar:

- Pronto cara. Pode sair dai - falou.
- Finalmente, pensei que tava zoando com a minha cara - falei.
- É que eles estavam teimando. Eu tive que invadir o sistema da polícia e consegui tira-los dali.
- Cara você é um gênio - falei sorrindo.

                Me endireitei no banco e logo liguei o carro. Eu tinha que acabar logo com essa palhaçada de Alfredo.

 POV Julie.

                Falar com Niall foi chocante, ele tinha voz de sono. Eu me lembrava de quando vi ele dormindo uma vez, sua carinha de sono ao acordar era incrivelmente fofa. Eu estava chorando quando falava com ele, eu espero que ele me encontrasse logo.

                Carolayne havia conseguido o celular de Niall e então ela tinha um celular velho. Ela disse que ia me ajudar e estava me ajudando um pouco. O problema foi na hora que um cara entrou aqui. Carolayne não estava mais no quarto e então ele tirou o celular de mim e minutos depois ele jogou o celular no chão e pisou em cima do mesmo. Eu senti minhas esperanças irem por água abaixo.

                O cara me levou até Alfredo que fez questão de passar a mão sobre o meu rosto e logo acertar um tapa no mesmo. Carolayne não havia ajudado muito com isso, eu queria saber aonde ela havia ido. Eu não sabia se deveria de confiar tanto nela. Eu quero muito que Niall me encontre logo, o meu ódio por Alfredo está crescendo cada vez mais, era como se uma arma estivesse ao meu alcance eu matava o mesmo.

                Eu estava no quarto agora, tudo apagado. Eu me encontrava deitada na cama, já era noite e eu não estava com sono. Me sentei na cama e logo cocei os olhos. Apoiei-me na cama e então encarei a frente. Eu tinha que sair logo daqui, eu tinha que ver Nataly, eu precisava de Niall. Talvez quando ele tivesse dito para eu correr, eu deveria ter feito isso, mas porque eu não fiz? É claro Julie, você estava atraída demais por ele que não tinha nem forças para correr.

                Me levantei e caminhei até uma janela que tinha ali. Uma cortina branca estava ali e lá embaixo se encontram seguranças. Bufei e comecei a caminhar em redor, eu tinha que pensar em alguma coisa. Escutei um barulho e logo fui para a janela, os seguranças ficaram alertas e logo começaram a correr para o local.

                Eu tinha acabado de ter uma ideia, na verdade foram duas. A primeira, e podia fazer uma corda com a coberta e todos os panos que tinha ali e então descer, e então eu jogava alguma coisa pesada para o outro lado da casa e todos iriam para o local. A segunda, eu pegaria alguma coisa pesada, e então saia do quarto – é claro se ele estivesse aberto -, eu tinha que descer tudo e então sair pela porta do fundo, assim que eu chegasse teria que encontrar alguma força dentro de mim, eles só haviam me trazido um suco e eu me sentia com fome.

                Eu deveria de tentar a segunda. Caminhei até a porta e puxei a mesma vendo se estava aberta, por incrível que parece estava aberta. Sorri e então abri a mesma devagar, o corredor estava escuro assim como o resto dos quartos. Saí do quarto devagar e logo fechei a porta. Eu calçava minhas botas e esperava que não fizesse barulho. Olhei para o final do corredor e ninguém aparecia. Suspirei aliviada e comecei a andar um pouco mais rápido, assim que cheguei na escada olhei para o corredor novamente e ninguém vinha. Suspirei e então comecei a descer a descer as escadas devagar, olhei novamente para cima checando se ninguém vinha. Continuei descendo as escadas e logo avistei a sala, na mesma ninguém estava. Agradeci mentalmente por isso e continuei descendo.

                Assim que terminei de descer a mesma eu tinha que encontrar a cozinha. Comecei caminhando cautelosamente em busca da cozinha. Escutei um barulho de uma porta e procurei algum lugar para ir. Corri para dentro de um cômodo onde tinha um balcão, eu tinha achado a cozinha. Procurei por alguma coisa que eu pudesse me defender e achei uma frigideira. Me abaixei ainda segurando a mesma e me encolhi ao máximo contra o balcão.

                Esperei alguns minutos, mas ninguém veio. Esperei também algum barulho, mas também nada. Me levantei ainda com a frigideira em mãos e olhei, não havia ninguém e estava tudo escuro. Suspirei e logo depois olhei para a porta que eu tinha visto antes quando estava abaixada. Caminhei até a mesma e destranquei devagar a mesma. Olhei para trás novamente e tudo continuava escuro.

- Vamos lá Julie. Você consegue – falei baixinho e respirei fundo.

                Assim que sai fechei a porta e me encolhi. Havia um arbusto ali perto da porta, corri para o lugar e me encolhi o máximo que podia, eu só tinha que correr para frente e então passar em umas pedras e correr o máximo que eu pudesse. Olhei por cima do arbusto e os caras estavam todos a postos. Droga, não tinha como eu passar. Eu sentia um frio na barriga, talvez eu não consiga ou talvez eu consiga.

                Relaxei meu corpo e olhei para o chão. Quando olhei para o mesmo encontre pedras pesadas. Os caras de preto olhavam para frente. Então... Talvez eu pudesse jogar a pedra e acertar em uma janela e eles fossem verificar. Respirei fundo e então peguei a pedra apertando bem na minha mão. Vamos lá Julie, por Nataly e Niall – pensei.

                Olhei por cima do arbusto e então eles estavam na mesma posição de antes. Apertei a pedra com mais força e reuni toda a minha força e então mirei em uma janela. Assim que joguei a pedra com força eu me abaixei e esperei que quebrasse. Depois de um tempo eu escutei o barulho de um vidro quebrado. Me levantei olhando por cima do arbusto e os caras entraram em uma porta. Não havia ninguém mais ali. Levantei correndo e comecei a correr reto. Eu havia deixado a frigideira para trás, eu senti minha cabeça dar uma pontada, mas continuei correndo. Eu não podia parar, agora que estava tão perto de conseguir sair daqui. Escutei pessoas gritando e logo olhei para trás e os seguranças corriam na minha direção. Eu consegui ganhar distancia.

                Assim que cheguei nas pedras tentei passar o mais rápido possível, mas tinha algumas que eram difíceis de pisar. Depois de passar pelas mesmas os caras haviam me alcançado um pouco. Comecei a correr novamente e estava quase perto de uma floresta. Eu tinha que consegui. Eles gritavam um monte e logo escutei um barulho de um tiro, não um tiro não... Foi diferente, mais baixo como uma agulha rápida.

                Eu corria e sentia cada vez mais fraca. Eu não podia deixar eles me pegarem. Assim que estava chegando na floresta senti algo me atingir, doeu. Faltavam poucos metros para entrar na floresta e assim me perder na mesma. Eu fui me sentindo mais fraca cada vez mais fraca. Eu me senti tonta, meus pés começaram a falhar e não correr. Eu cai no chão deitada. Eu fui uma fraca por não conseguir. Meus olhos se encheram de lágrimas e então uma caiu do meu rosto, escorrendo por minha bochecha.


CONTINUA...
Olá galera. Me desculpem a demora... Então amanhã posto o epilogo de the best winter e acabou. Eu estou morrendo de sono, e não consigo mais ficar aqui. Minha mãe veio mexer no pc e eu cai no sono quando estava na cama, e acordei de mal humor ainda. Espero que vocês gostem, obrigada pelos comentários no capítulo anterior. Beijo.

12 comentários:

  1. Continuaa!! Tá PERFEITO!!
    xx Luh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá msm simplesmente Perfeito *_*.

      Excluir
  2. Julie querida, sossega e espera o Niall, uma hora ele te acha u.u Jennifer, ela tinha que conseguir... Tô com saudades desses dois :(

    ResponderExcluir
  3. Posta amanha? No maximo? Please
    XxAnaí

    ResponderExcluir
  4. Continua logo por favor!!!

    ResponderExcluir
  5. Cara espero que a Julie não vá tão longe o Niall precisa achar ela mds tadinha, espero que o Alfredo sofra, ebaaaa! TBW amei ela to anciosa pra ver o verdadeiro final! Continua os dois please malikisses
    by: Duda

    ResponderExcluir
  6. Cara posta bem rapido eu ja estou ficando louca sem ler:) É PERFECT

    ResponderExcluir
  7. Continua e bem rapido,ja to pirando aq sem saber oq acontecera dps..

    ResponderExcluir
  8. CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAA
    TÁ PER-FECT *-*

    ResponderExcluir
  9. Continua hoje??
    Pleaseeeee *-*

    ResponderExcluir
  10. Continua logoooo *---*
    to esperandooo

    ResponderExcluir